Os números da Covid-19

Portugal com mais 10 mortes e 3.009 casos de covid-19 em 24 horas

Pedro Nunes

O último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Portugal contabiliza esta quinta-feira mais 10 mortes e 3.009 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.330 mortes e 963.446 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 51.561 casos, mais 131 em relação ao dia anterior.

O boletim da DGS revela que estão internados 954 doentes, mais 20 do que ontem.

Nos cuidados intensivos estão 208 doentes.

Os dados indicam ainda que mais 2.868 foram dados como recuperados, fazendo subir para 894.555 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 79.147 contactos, menos 1.328 relativamente ao dia anterior.

Novos casos por região e faixa etária

A área de Lisboa e Vale do Tejo, com 1.156 casos, e a região Norte, com 1.032, somam 72,7% do total das novas infeções verificadas nas últimas 24 horas.

Na região Centro registaram-se mais 320 casos, no Alentejo foram assinalados mais 168 casos e na região do Algarve o boletim revela que foram registados 241 novos casos.

A região Autónoma da Madeira registou 26 casos e os Açores têm 66 novos casos. As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

Relativamente ao total de 3.009 novas infeções, o boletim revela que 267 têm entre os 0 e os 9 anos, 517 entre os 10 e os 19 anos, 718 entre os 20 e os 29 anos, 474 entre os 30 e os 39 anos, 401 entre os 40 e os 49 anos, 277 entre os 50 e os 59 anos, 162 entre os 60 e os 69 anos, 83 entre os 70 e os 79 anos e 111 com mais de 80 anos.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 442.138 homens e 520.654 mulheres, mostram os dados da DGS, segundo os quais há 654 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Óbitos por região e faixa etária

As 10 mortes ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (3), na região Norte (3), na região do Algarve (3) e nos Açores (1).

No que respeita às faixas etárias, cinco das vítimas mortais tinham mais de 80 anos, uma entre os 70 e os 79, três entre os 60 e os 69, e uma entre os 50 e os 59 anos.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos. Do total de mortes, 11.340 eram pessoas com mais de 80 anos, 3.711 com idades entre os 70 e os 79 anos, e 1.573 tinham entre os 60 e os 69 anos.

Do total de vítimas mortais, 9.095 eram homens e 8.235 mulheres.

TAXA DE INCIDÊNCIA E ÍNDICE DE TRANSMISSIBILIDADE

A taxa de incidência nacional subiu de 427,5 para 428,3 casos de infeção por 100 000 habitantes. No continente aumentou manteve-se nos 439,3 casos de infeção por 100 000 habitantes.

O R(t) nacional voltou a descer - tanto a nível nacional como no continente - 1,04 para 1,01.

Os dados dos índices R(t) e da incidência são atualizados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

Já foram feitos mais de 15 milhões de testes à covid-19 em Portugal

Já foram feitos mais de 15 milhões de testes de diagnóstico à covid-19 em Portugal. Até à data, julho é o mês com o maior número de testes realizados (11,1% do total).

Paul Biris

Foram realizados, em média, cerca de 64.000 testes por dia até ao dia 26 de julho de 2021, o que corresponde ao valor mais elevado desde março de 2020", adiantou o Ministério da Saúde em comunicado esta quarta-feira divulgado.

Segundo a tutela, foram realizados em Portugal entre 1 e 26 de julho cerca de 1,66 milhões de testes, dos quais mais de 740 mil são testes rápidos de antigénio de uso profissional. Os números não incluem autotestes, esclareceu ainda a nota do Governo.

Comparticipação de testes a 100% alargada até final de agosto

O Governo prolongou até dia 31 de agosto a comparticipação de testes rápidos de antigénio à covid-19 de uso profissional, foi publicado esta quinta-feira no Diário da República.

"Perante a atual situação epidemiológica, importa assegurar a manutenção da vigência do regime excecional e temporário estabelecido, continuando a intensificar a utilização de testes para deteção do SARS -CoV -2, realizados de forma progressiva e proporcionada ao risco", refere o Governo na portariam assinada pelo secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes.

A portaria fixa o valor de 10 euros como preço máximo para efeitos de comparticipação.

Depois de publicada a portaria que define a comparticipação, no início de julho, a Ordem dos Médicos veio saudar a decisão, mas defendeu que a medida devia incluir quem já tem esquema vacinal completo.

"Uma pessoa vacinada pode, ainda que raramente, ser infetada e, muito raramente, transmitir o vírus a outra pessoa", recordou, na altura, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, sublinhando a importância de incluir os utentes com certificado de vacinação.

A realização dos testes poderá ter lugar nas farmácias de oficina e laboratórios de patologia clínica ou análises clínicas devidamente autorizadas pela Entidade Reguladora de Saúde (ERS).

Links úteis

Mapa com os casos a nível global