Violência em Moçambique

Quase 30 mil pessoas forçadas a fugir de Palma desde o final de março

JOAO RELVAS

Relatório da ONU sobre a violência em Moçambique.

Quase 30 mil pessoas foram forçadas a fugir da cidade de Palma, no nordeste de Moçambique, palco de intensos combates no final de março, segundo a ONU.

O Alto Comissário para Refugiados "está profundamente preocupado com as consequências humanitárias ligadas à rápida escalada da violência no norte de Moçambique, onde cerca de 30.000 pessoas foram forçadas a fugir da cidade de Palma desde que foi atacada por grupos armados em 24 de março", disse o porta-voz do ACNUR Babar Balochn numa reunião da ONU em Genebra.

"Aqueles que fugiram tiveram que enfrentar obstáculos notáveis ​​na tentativa de encontrar segurança no país ou na tentativa de cruzar as fronteiras", disse Baloch.

Cerca de 80% das vítimas de abusos são mulheres e crianças.

O porta-voz expressou também preocupação com as famílias separadas. “Centenas de crianças chegaram traumatizadas e exaustas depois de serem separadas das suas famílias”.

Os deslocados "chegam sem nada, muitas vezes com problemas de saúde, incluindo lesões e desnutrição grave".

"As pessoas continuam a fugir de Palma, mas com apenas algumas rotas de fuga ainda abertas, estamos preocupados que não consigam abandonar esta área", disse Baloch.

Desde o final de 2017, grupos jihadistas aterrorizam a província de Cabo Delgado, pobre mas rica em gás natural, localizada no nordeste de Moçambique, na fronteira com a Tanzânia.

Os ataques desses combatentes, conhecidos localmente como "Al-Shabab" ("jovens" em árabe), aumentaram no ano passado e com extrema violência, praticando violações, decapitando e queimando aldeias.

Em 24 de março, grupos armados atacaram a cidade portuária de Palma, matando dezenas de pessoas. A operação foi reivindicada pelo grupo radicl islâmico Daesh.

Nestes últimos anos já morreram mais de 2.800 pessoas vítimas da violência destes grupos, segundo a ONG Acled, e obrigou 700 mil pessoas a fugir, segundo o ACNUR.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros