Educação

12.04.2021

Afonso e Gonçalo, irmãos gémeos. O sucesso profissional de dois antigos bolseiros

Loading...

São gémeos, alunos de excelência e ambos beneficiaram da “bolsa Gulbenkian Mais” durante cinco anos. Em 2018, estavam no quarto ano do curso no Instituto Superior Técnico. Hoje, continuam a distinguir-se no percurso do seu doutoramento

Afonso Raposo, engenheiro biomédico, criou a “e-CoVig”, o nome de uma aplicação para combater a covid-19.

Gonçalo Raposo, engenheiro aeroespacial, está focado na área da inteligência artificial e, especificamente, no tema do deep learning [aprendizagem profunda] “que usa redes neuronais com uma estrutura muito parecida com o cérebro humano”, para treinar computadores a realizar tarefas como seres humanos, explica.

Desde 2015 que os dois jovens gémeos beneficiaram da “bolsa Gulbenkian Mais”, tendo terminado as teses de mestrado no Instituto Superior Técnico com 20 e 19 valores.

A aplicação “e-CoVig” idealizada por Afonso permite aos doentes partilhar os seus sintomas, através de questionários e técnicas de medição de sinais vitais, podendo ser utilizada por pessoas que estão confinadas em casa, mas também nos hospitais ou em lares de idosos.

O objetivo desta aplicação, um projeto, apoiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), é facilitar o processo de monitorização de sintomas fisiológicos dos doentes Covid em confinamento, que atualmente é feito através de chamada telefónica.

Toda a informação registada é partilhada em tempo real para uma plataforma online, à qual os médicos ou enfermeiros responsáveis por acompanhar os doentes podem aceder. Estes são também notificados no caso de se verificar um agravamento dos sintomas do doente.

Um dos temas que Afonso aprofundou na sua tese de mestrado, foi a aquisição de sinais vitais através do telemóvel. Mas a sua maior descoberta é a forma de medir a saturação de oxigénio utilizando apenas a câmara do telemóvel. Esta e outras funcionalidades da telemedicina serão o foco da sua investigação ao longo do doutoramento.

O trabalho de Gonçalo visa tornar mais rápida e eficiente a implementação dos modelos de deep learning como o reconhecimento automático de texto/fala, a identificação de imagem, e as previsões e reconhecimento de padrões.

O mês de junho marca a sua estreia a área dos artigos científicos com a apresentação de um paper da sua autoria numa conferência internacional, a International Conference on Acoustics, Speech, & Signal Processing.

No âmbito do seu doutoramento, para o qual tem uma bolsa financiada pelo INESC-ID, vai desenvolver um projeto para melhorar a resposta de chatbots, programas de IA que se encontram em vários websites e que são capazes de manter uma conversa com um utilizador humano, por exemplo, no apoio ao cliente.

Apesar de já não serem bolseiros da Gulbenkian, os gémeos Raposo dizem-se muito gratos “e completamente ao dispor para retribuir à Fundação toda a ajuda” que lhes deu.