Mais Esperança

12.04.2021

Medicina mais próxima com o P5

Criado, em Braga, para tirar dúvidas sobre a Covid-19, o Centro de Medicina Digital P5 estendeu-se a outras áreas de medicina e ultrapassou fronteiras

Entre março e setembro de 2020, mais de 3500 pessoas recorreram ao P5 por telefone ou através da internet para esclarecer dúvidas sobre a covid-19 e pedir orientações sobre a melhor forma de proceder em caso de doença.

Criado com o apoio da Gulbenkian Soluções Digitais, o P5 visava, sobretudo, ajudar, retirando pressão sobre o serviço público de saúde durante a pandemia.

Funcionando como um serviço digital, foi possível dar resposta às dúvidas que chegaram das várias regiões do país. “Tenho estes sintomas – será Covid?”, “o que devo fazer?” “Tenho lúpus. Que medidas excecionais devo tomar?”- são alguns exemplos das questões colocadas.

Do outro lado da linha, respondiam médicos de medicina geral, internistas e enfermeiros, aos quais se foram juntando especialistas, psicólogos clínicos e, na fase de maior procura, finalistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho. Prestavam esclarecimentos, apoio psicológico, psiquiátrico ou encaminhavam as situações que não podiam resolver.

Nuno Sousa, neurorradiologista que preside à Escola de Medicina da Universidade do Minho e o P5, conta como um “antigo aluno, que viaja muito, encontrou nos serviços clínicos do P5 resposta” às suas necessidades. Há tempos ligou do Dubai, mas esteja ele onde estiver, escusa de procurar um centro clínico e explicar a sua condição – pode conectar-se ao P5 com a certeza de que, do outro lado, há um médico ou um enfermeiro com acesso à sua ficha clínica, que lhe dará um acompanhamento personalizado, afirma.

Esclarecer e promover a saúde

A Fundação Gulbenkian apoiou o P5 a montar o Help Desk para responder a todas as dúvidas sobre a Covid-19 mas também a dar os primeiros passos na criação de uma app de promoção da saúde, alargando os seus serviços, em Paredes de Coura e Guimarães.

A aplicação permite que os médicos sigam, à distância, os pacientes que precisam de um acompanhamento regular. Possibilita também avaliar se as consultas devem ser antecipadas (se os dados carregados na app o justificarem), ou se, pelo contrário, podem ser mais espaçadas.

Para que a app possa ser bem utilizada, a equipa da P5 está a trabalhar com as autoridades e com a comunidade local de Paredes de Coura para aumentar os níveis de literacia digital da população. Já em Guimarães, onde há “menor desconforto digital”, a estratégia é antes a de “criar hábitos saudáveis nas famílias através dos mais jovens”.

Ao conceito dos quatro “Pês” da Medicina (Preventiva, Preditiva, Participativa e Personalizada), a equipa de Nuno Sousa juntou mais um, o da Proximidade, “desconstruindo o conceito de que o digital afasta”, princípio que norteou o lançamento do Gulbenkian Soluções Digitais.