Mais Esperança

14.06.2021

“Circuito da Aldeia”, o turismo que promove a cultura local

É uma forma diferente de turismo. Que aproxima o visitante dos hábitos e costumes das gentes de uma região e valoriza a cultura local. Que, ao mesmo tempo, promove a atividade económica e a participação cívica.

Chegado a S. Miguel de Machede, no município de Évora, o visitante tem à sua disposição uma forma diferente de conhecer aquela zona. Através do “Circuito na Aldeia”, um projeto comunitário que, há 12 anos, desde 2009, promove um modelo de turismo pedagógico em meio rural. É um “itinerário de aprendizagem em espaço rural, no qual o visitante tem a oportunidade de contactar com o quotidiano de uma comunidade localizada no meio rural, em contexto real ou virtual”, explica Patrícia Ramalho, da SUÃO - Associação de Desenvolvimento Comunitário/Escola Comunitária de São Miguel de Machede, responsável pelo projeto.

Através de um roteiro pedagógico com passagem pela horta, mercearia, escola, igreja, junta de freguesia, adega, lavadouro público e da participação em jogos tradicionais e outras atividades, o turista contacta com a cultura e com as práticas da localidade, experiência que vivencia com os residentes, disponíveis para partilhar os seus saberes.

Todos os anos participam no “Circuito da Aldeia” uma média de 150 visitantes e de 20 voluntários (jovens e seniores). A iniciativa conta ainda, com o contributo de jovens qualificados que, “em cooperação com os especialistas do saber experiencial, desenham o roteiro mais adaptado a cada público”, adianta Patrícia Ramalho.

Desta forma, com base nos recursos da região e na sua valorização, desenvolve-se um “trabalho cooperativo intergeracional e interinstitucional” de cariz solidário, divulgando a terra.

A ideia da necessidade de valorizar os recursos endógenos de S. Miguel de Machede esteve aliás na base deste projeto que teve em conta a coesão social e intergeracionalidade, como condições essenciais da abordagem social a desenvolver, como explica Patrícia Ramalho. “O envelhecimento da população, a desvalorização dos saberes tradicionais, a fratura geracional, as raras oportunidades de participação para os mais velhos e a dificuldade de integração profissional dos mais jovens e qualificados, fizeram com que a SUÃO assumisse este conjunto de dificuldades como uma verdadeira oportunidade de promover o desenvolvimento local, valorizando o território e a cultura locais.”

O “Circuito da Aldeia”, consolidou-se assim também “como um projeto de empreendedorismo social e económico, através da criação de uma nova fileira de atividade económica” que gera riqueza, promove a participação ativa de todos, em particular dos mais velhos e dos mais novos e qualificados e concretiza a coesão das pessoas e dos seus saberes.

Qualquer grupo de pessoas pode participar no Circuito, desde grupos informais e empresariais, a crianças, jovens, idosos ou pessoas com necessidades educativas especiais.

Tendo já sido apoiado pela SIC Esperança, o projeto suscitou o interesse de várias entidades que hoje concedem o seu apoio financeiro, logístico ou de divulgação: o Instituto da Segurança Social, o Instituto Português do Desporto e da Juventude, a Junta de Freguesia de São Miguel de Machede, a Associação Filarmónica 24 de Junho, a Universidade Popular Túlio Espanca da Universidade de Évora, a Casa Relvas, o Diário do Sul e Rádio Telefonia, a GNR e o comércio local.

E nem a pandemia interrompeu o projeto. Pelo contrário, “foi realizado um investimento no sentido de elaborar videogramas com as estações de visita, no sentido de proporcionar visitas virtuais ao Circuito da Aldeia”, diz Patrícia Ramalho. Agora, mesmo que os grupos não possam deslocar-se a São Miguel de Machede, têm sempre hipótese de o fazer de modo virtual.