Mundo

Vladimir Putin na lista dos nomeados para prémio Nobel da Paz 

O presidente russo, Vladimir Putin, está entre  os nomeados para o prémio Nobel da Paz deste ano, bem como o antigo agente  dos serviços de segurança dos Estados Unidos Edward Snowden e a estudante  paquistanesa Malala Yousafzai. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© RIA Novosti / Reuters

O Instituto Nobel indicou hoje que foram recebidas pelo comité 278 candidaturas  ao prémio, mas não revelou a lista de nomeados, que é mantida em segredo  durante pelo menos 50 anos. No entanto, apesar do secretismo do Instituto,  os proponentes podem revelar os candidatos que apresentam. 

Vladimir Putin deve constar da lista, tendo o seu nome sido proposto  por personalidades russas em outubro, tendo em conta o seu papel na crise  síria, noticia hoje a AFP. Acredita-se que o antigo membro do KGB tenha impedido um ataque norte-americano  contra a Síria ao sugerir que o arsenal de armas químicas do regime de Bashar  al-Assad fosse colocado sob controlo internacional. 

Ser nomeado para o prémio Nobel da Paz é relativamente simples, uma  vez que há centenas de pessoas que podem sugerir candidatos: deputados e  ministros de vários países, professores universitários e antigos laureados. Além disso, na primeira reunião, que decorreu hoje, o comité de cinco  elementos pode acrescentar mais nomes à lista. 

Outro nome que deve constar na lista é o de Edward Snowden, antigo membro  da agência de segurança nacional dos Estados Unidos, que conseguiu asilo  na Rússia e que é acusado no seu país de divulgar uma série de documentos  confidenciais sobre o programa de vigilância global dos Estados Unidos.

Também a estudante paquistanesa Malala Yousafzai, de 16 anos, que ficou  seriamente ferida quando foi atingida a tiro na cabeça por um talibã por  promover a educação nas raparigas no Paquistão, deverá estar novamente na  lista de nomeados para o prémio Nobel da Paz, depois de ter sido considerada  como uma das favoritas no ano passado. 

Em 2013, o prémio Nobel da Paz foi atribuído à Organização para a Interdição  de Armas Químicas, que está empenhada em desmantelar o arsenal de armas  químicas do regime sírio. 

 

     

Lusa