Mundo

"1984" de George Orwell no topo de vendas devido a Trump

© Toby Melville / Reuters

O romance distópico "1984" de George Orwell subiu ao primeiro lugar do topo de vendas da Amazon, depois da assessora de Trump ter chamado de "factos alternativos" a informações incorretas proferidas por Donald Trump.

"Factos alternativos", foi o que chamou uma das assessoras do Presidente dos EUA às declarações polémicas e incorretas de Trump sobre a assistência à sua tomada de posse.

A afirmação incorreta, de que a cerimónia teria sido a mais vista de sempre, despoletou várias comparações com o "best-seller" de Orwell, um mundo distópico e totalitário onde os factos são distorcidos e as pessoas oprimidas.

Um retrato que muitos consideram coincidir com a América de Trump. Para a psicóloga Marilyn Wedge, é possível fazer uma conexão entre "1984" e as práticas da nova administração dos EUA.

A editora de "1984" nos Estados Unidos não tem conseguido fazer face à procura por parte dos leitores. Neste momento, a página do livro na Amazon mostra um aviso de que o livro está "temporariamente indisponível".

A procura é tanta que a editora já mandou reimprimir mais 75 mil cópias no início da semana.

  • Administração Trump em guerra declarada aos jornalistas

    Mundo

    A administração Trump prossegue com a guerra aberta aos jornalistas e fala em "factos alternativos". O porta-voz da Casa Branca usou a primeira conferência de imprensa oficial para criticar a imprensa e defender a tese de manipulação. Tomando como mote a cobertura da tomada de posse de Donald Trump, Sean Spicer garantiu que foi "a maior audiência de sempre a testemunhar uma tomada de posse presidencial". As imagens dos fotojornalistas e das câmaras de televisão dizem outra coisa.

  • Terceiro período do ensino básico à distância. Exames do secundário adiados

    Coronavírus

    O terceiro período do ano letivo no ensino básico arranca no próximo dia 14, mas sem atividades letivas presenciais e com apoio de transmissões televisivas. Os exames nacionais do 11.º e 12.º anos foram adiados e o ano letivo pode estender-se até 26 de junho. Portugal regista 409 mortes e 13.956 infetados pelo novo coronavírus. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia da Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias