Mundo

ONU promete mobilizar apoio para vítimas de ciclone na província moçambicana de Inhambane

© Goran Tomasevic / Reuters

A ONU prometeu esta quarta-feira mobilizar apoio internacional para a assistência às vítimas do ciclone, que atingiu, na quarta-feira da semana passada, a província de Inhambane, sul de Moçambique, e matou sete pessoas e feriu 55.

"Vamos mobilizar o sistema humanitário internacional para o apoio às vítimas desta calamidade, tendo em atenção as prioridades mais prementes, que são o abrigo e a sua subsistência", disse a coordenadora-residente da ONU em Maputo, Márcia Castro, durante um encontro com responsáveis do Instituto Nacional de Gestão das Calamidades Naturais (INGC) de Moçambique.

As Nações Unidas, prosseguiu Castro, enviaram equipas para os distritos da província de Inhambane afetadas pelo ciclone, com o objetivo de avaliar as necessidades das populações e monitorizar a disponibilização da ajuda.

Por seu turno, o diretor-geral do INGC, Osvaldo Machatine, afirmou que o ciclone deixou numa situação de vulnerabilidade 770 mil pessoas, destruiu 106 salas de aula e cerca de 70 unidades de saúde.

O INGC estima em 900 milhões de meticais (12 milhões de euros) o montante necessário para reposição de infraestruturas destruídas pelo ciclone.

O ciclone, que começou como uma depressão tropical, formou-se no canal de Moçambique e, à medida que se aproximava da costa, aumentou a velocidade, tendo os ventos atingido uma velocidade de mais de 100 quilómetros por hora, com rajadas de cerca de 150 quilómetros por hora.

Lusa

  • 140 mortos e 6.408 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O último balanço da DGS refere a existência de 140 mortes e 6.408 infetados com o novo coronavírus em Portugal. Mais 21 óbitos e 446 casos em relação a ontem, o que representa um aumento de 7,5% no número de casos. Arrancou hoje um programa de testes à Covid-19 em todos os lares de idosos do país. A medida do Governo visa evitar novos focos de contágio. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia.

    Direto

    SIC Notícias