Mundo

EUA e Canadá anunciam cimeira sobre Coreia do Norte

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson com Chrystia Freeland, ministra canadiana dos Negócios Estrangeiros

Blair Gable

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, e a ministra canadiana dos Negócios Estrangeiros, Chrystia Freeland, anunciaram esta terça-feira uma reunião de diplomatas a 16 de janeiro em Vancouver sobre a Coreia do Norte.

Chrystia Freeland defendeu, após uma reunião com Tillerson, que uma "solução diplomática é essencial e possível" em relação à crise relacionada com a Coreia do Norte.

Em Vancouver, disse Rex Tillerson, vão encontrar-se "os ministros dos Negócios Estrangeiros" que desde o início estão comprometidos no combate às ambições nucleares da Coreia do Norte, como "a Coreia do Sul, o Japão ou a Suécia".

O responsável afirmou, numa conferência de imprensa conjunta, que os Estados Unidos continuam a procurar formas de aumentar a pressão contra a Coreia do Norte, para enviar uma mensagem da comunidade internacional unida de que o país não será aceite como uma nação nuclear.

O agora chamado Grupo de Vancouver discutirá a forma de tornar mais eficaz a atual campanha de pressão e como preparar as negociações: "O objetivo da campanha de pressão é conseguir negociações. Mas não podemos negociar até que a Coreia do Norte esteja pronta para debater", disse Tillerson.

Os dois responsáveis disseram em vários momentos que a campanha de pressão se manterá e que inclusivamente aumentará, "até que concordem em eliminar as armas nucleares" e que a comunidade internacional o possa verificar.

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, tem desenvolvido um programa de armas nucleares e de mísseis, o que levou a comunidade internacional a impor sanções ao país asiático.

Vários disparos de mísseis pela Coreia do Norte têm aumentado a tensão na península e levado ao aumento de ameaças entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.

Lusa