Mundo

Quatro grandes empresas dos EUA vão dividir ganhos fiscais com trabalhadores

Vivek Prakash

Os empregados de pelo menos quatro empresas vão beneficiar da redução de impostos aprovada pelo Congresso dos Estados Unidos, com as companhias a prometer transferir para os trabalhadores parte dos ganhos que vão obter.

A AT&T disse que vai pagar um bónus de mil dólares (842 euros) a 200 mil trabalhadores quando a proposta de reforma fiscal, aprovada hoje, for assinada e passar a lei.

O Departamento de Justiça está a bloquear uma anunciada fusão entre a AT&T e a Time Warner, negócio que o Presidente norte-americano, Donald Trump, já disse que "não é bom para o país".

Ao celebrar os cortes de impostos, hoje, no exterior da Casa Branca, Trump evidenciou o anúncio da AT&T com os congressistas republicanos, atrás dele, a aplaudi-lo.

Os cortes de impostos aprovados ascendem a 1,5 biliões (milhão de milhões) de dólares (1,3 biliões de euros) e reduzem a taxa de imposto sobre as empresas de 35% para 21%.

"Isto é por causa do que fizemos", disse Trump, a propósito da decisão da AT&T. "Isto é muito bom. Muito bom", insistiu.

Trump sugeriu que outras empresas iriam fazer anúncios similares, dizendo: "Vamos ver algo que é muito especial".

O banco Wells Fargo já anunciou que iria aumentar o seu salário mínimo para 15 dólares por hora e doar 400 milhões de dólares a organizações comunitárias sem fim lucrativo.

Sediado em São Francisco, este banco tem sido alvo de críticas por ter aberto contas fraudulentas em nomes de clientes, bem como pelas práticas que teve há uma década que contribuíram para a queda repentina e acentuada dos preços do imobiliário e a designada Grande Recessão.

Já o Fifth Third Bancorp, sediado no Estado do Ohio, anunciou ir pagar um bónus de mil dólares a mais de 13.500 funcionários, bem como elevar o salário mínimo dos seus empregados para 15 dólares por hora.

A Boeing, por seu turno, anunciou ir afetar mais 300 milhões de dólares a formação, investimentos nas instalações industriais e ações de solidariedade.

Lusa