Mundo

"A investigação não vai ao fundo e Moçambique não permite a ajuda da PJ"

"A investigação não vai ao fundo e Moçambique não permite a ajuda da PJ"

Quase dois anos depois do rapto do empresário português, Américo Sebastião, em Moçambique ainda não há grandes avanços na investigação criminal das autoridades moçambicanas. Portugal ofereceu ajuda, por diversas vezes, nomeadamente da Polícia Judiciária, mas Moçambique não se tem mostrado disponível à colaboração entre polícias, como confirmou a jornalista da SIC Cândida Pinto e autora da Grande Reportagem "Sem Rasto", para ver hoje no Jornal da Noite.

  • "Sem Rasto em Moçambique", a Grande Reportagem da SIC para ver hoje no Jornal da Noite
    4:05

    Edição da Manhã

    Passaram já quase 2 anos desde o rapto de um empresário português em Moçambique. O engenheiro agrónomo, Américo Sebastião, foi levado de uma bomba de gasolina no centro do país em Julho de 2016. Não se sabe se estará vivo ou não. Cândida Pinto, jornalista da SIC, esteve na Edição da Manhã para nos falar do desaparecimento de Américo Sebastião, que é o tema da Grande Reportagem "Sem Rasto em Moçambique" para ver hoje no Jornal da Noite.

  • O rapto de Américo Sebastião, um embaraço nas relações entre Portugal e Moçambique
    2:20

    Grande Reportagem SIC

    Já passaram quase dois anos desde o rapto de um empresário português em Moçambique. O engenheiro agrónomo Américo Sebastião foi levado de uma bomba de gasolina no centro do país em julho de 2016. Não houve pedido de resgate nem qualquer outra informação sobre o paradeiro do empresário. Não se sabe se estará vivo ou não. É o tema da Grande Reportagem "Sem Rasto em Moçambique" para ver hoje no Jornal da Noite.

  • Sem rasto em Moçambique

    Grande Reportagem SIC

    "Só estou aqui porque eu sei que o meu pai vai aparecer". Esta é a convicção de Rodrigo Sebastião enquanto avança pelos caminhos que levam ao mato, ao interior de Moçambique. Foi na província de Sofala que o pai de Rodrigo, Américo Sebastião, expandiu negócios na área da agricultura, pecuária e exploração florestal. Em Julho de 2016 o empresário português foi levado de uma bomba de gasolina em Nhamapaza, no centro de Moçambique, sem deixar rasto.