Mundo

Irmão do Presidente das Honduras detido nos EUA por supostas ligações ao narcotráfico

Orlando Hernandez, o Presidente das Honduras

XXSTRINGERXX xxxxx

O irmão do Presidente da República das Honduras foi detido na sexta-feira em Miami, no Estado norte-americano de Florida, devido a supostas ligações aos cartéis de tráfico de droga.

"Hoje [sexta-feira] o cidadão hondurenho Juan Antonio Hernandez, irmão do atual Presidente da República das Honduras, foi detido na cidade de Miami, nos Estados Unidos", afirma um comunicado do Executivo de Tegucipalca, citado pela agência noticiosa francesa AFP.

No passado dia 24 de outubro, o Presidente hondurenho, Orlando Hernandez, "afirmou claramente que estava acima da lei", quando circulavam "rumores cada vez mais insistentes, que referiam ligações do seu irmão ao narcotráfico", referiu o Governo.

Em 17 de Março de 2017, quando Juan Antonio Hernandez foi deputado ao parlamento hondurenho, rejeitou as acusações de que o traficante Devis Leonel Rivera, detido nos Estados Unidos, o tinha subornado para o Governo acelerar o pagamento a uma empresa de Los Cachiros.

A denúncia contra Juan Antonio Hernandez Rivera foi feita pelo narcotraficante a um tribunal do Estado de Nova Iorque, onde se encontrava preso desde 2015, quando se entregou à justiça norte-americana.

"O Presidente da República reitera o que disse em 24 de outubro de 2016: 'Durante este Governo ninguém que seja acusado pela justiça tem, teve ou terá quaisquer concessões ou privilégios, seja de correligionários, dos meus próprios parentes, funcionários do Governo ou cidadãos de outros países", lê-se no comunicado oficial, citado pela agência espanhola Efe.

"A nossa posição tem sido clara, é clara e continuará clara a luta contra a corrupção e o crime sem distinções", afirmou o Presidente.

No caso de Juan Antonio Hernandez, como qualquer outro Presidente hondurenho e o seu Governo mantêm a posição de que todos são responsáveis pelas suas ações e em nenhum caso a responsabilidade é transferida para outros, disse uma fonte oficial à Efe.

Lusa