Mundo

Bolsonaro reúne-se hoje com conselheiro de Segurança Nacional dos EUA

Joedson Alves

O Presidente eleito no Brasil, Jair Bolsonaro, reúne-se hoje, no Rio de Janeiro, com o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, encontro que marca a aproximação na liderança dos dois países.

"Feliz de receber a visita do Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Sr. @AmbJohnBolton, na próxima semana. Certamente teremos uma conversa produtiva e positiva em prol de nossas nações", escreveu anteriormente Bolsonaro na rede social Twitter.

Já John Bolton classificou de "oportunidade histórica" a eleição do novo chefe de Estado brasileiro e disse que Jair Bolsonaro já começou a desenvolver "um relacionamento pessoal" com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

"Meu encontro com o Presidente eleito Bolsonaro é resultado da chamada do Presidente Trump para lher dar os parabéns, no dia 28 de outubro", disse Bolton, em conferência de imprensa realizada anteriormente na Casa Branca.

"Eles tiveram um telefonema realmente excelente e acho que desenvolveram um relacionamento pessoal, mesmo remotamente", acrescentou.

Bolton salientou que Trump foi "o primeiro líder estrangeiro a ligar para Bolsonaro" depois de sua vitória eleitoral, e espera que ambos possam levar o relacionamento bilateral a um novo nível.

"Vemos isso como uma oportunidade histórica para o Brasil e os Estados Unidos trabalharem juntos em várias áreas, como economia, segurança e outras", disse Bolton.

O conselheiro norte-americano também afirmou que prevê ouvir "quais são as prioridades do Presidente eleito [no Brasil], tentar respondê-las" e atualizá-lo sobre "as opiniões do Presidente Trump", para que, quando Bolsonaro chegar ao poder em janeiro, "os dois líderes possam começar a trabalhar juntos".

Segundo informações veiculadas pela Efe, Bolton e Bolsonaro devem falar sobre uma possível "estratégia regional para as crises criadas pelos regimes de Cuba e da Venezuela".

Também deverão falar sobre "uma estratégia regional para lidar com a influência política e económica da China" na América Latina, sobre a qual Washington recentemente aumentou suas críticas.

A agenda deverá incluir a discussão de medidas para "ampliar as relações comerciais, de negócios e de investimento" entre os Estados Unidos e o Brasil, bem como a "melhorar a segurança energética regional".

Bolton visitará o Rio de Janeiro a caminho da cúpula dos líderes do G20, que decorrerá esta sexta-feira e no sábado, em Buenos Aires, capital da Argentina, que contará com a presença de Donald Trump.

Lusa

  • A reação do presidente do Benfica no momento em que se sagra campeão
    0:35