Mundo

Dinamarca vai enviar migrantes indesejados para ilha remota

Ritzau Scanpix Denmark

A Dinamarca pretende banir para uma ilha remota requerentes de asilo cujos pedidos tenham sido rejeitados ou que tenham cadastro, indicou esta terça-feira um deputado de um partido apoiante do Governo dinamarquês.

Segundo Martin Henriksen, deputado do Partido Popular Dinamarquês, uma formação anti-imigração que apoia o Governo de centro-direita, a iniciativa do executivo "é um sinal para todo o mundo de que a Dinamarca não é atrativa" para migrantes.

Embora considerando que esse projeto do Governo pode representar uma violação do direito internacional, Henriksen acrescentou que o seu partido não "se importa de desafiar as convenções [Notes:internacionais] ".

A isolada ilha de Lindholm foi, até ao verão passado, um local de experiências laboratoriais do Instituto de Veterinária do Estado, que estava a investigar doenças animais contagiosas.

O plano, adotado na sexta-feira pelo Governo e pelo Partido Popular Dinamarquês - a garantirem ambos os 90 votos para obterem uma maioria -, consiste em descontaminar a ilha desabitada e criar instalações para migrantes para alojar cerca de 100 pessoas em 2021.

Lusa

  • Governo pondera alargar uso de máscaras. Mais de 1.200 mortes nos EUA em 24 horas

    Coronavírus

    O Governo pondera o alargamento do uso de máscaras. A ideia foi avançada pela ministra da Saúde, Marta Temido. Os Estados Unidos registaram nas últimas 24 horas mais de 1.200 mortes causadas pela Covid-19. O país regista mais de nove mil óbitos e cerca de 337 mil infetados. Em Portugal, o último balanço da DGS dá conta de 11.278 casos e 295 mortos. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia.

    Direto

    SIC Notícias