Mundo

Detidos por "uso criminoso de drones" em Gatwick libertados sem acusação

FACUNDO ARRIZABALAGA / EPA

A polícia disse que continua em curso a investigação para encontrar os responsáveis pelo uso criminoso de drones.

As duas pessoas detidas na sexta-feira por suspeita de "uso criminoso de drones" junto ao aeroporto de Gatwick foram libertadas, depois de afastadas as suspeitas de que estivessem relacionadas com este crime, informou este domingo a polícia de Sussex.

O agente responsável pela investigação, Jason Tingley, assinalou este domingo que os dois detidos, um homem de 47 anos e uma mulher de 54, cooperaram com a equipa e "deixaram de ser suspeitos" do incidente de Gatwick.

"É importante lembrar que quando alguém é detido no âmbito de um esforço para se avançar na investigação não quer dizer que sejam culpados", afirmou Tingley, sublinhando que a polícia de Sussex não identificou as duas pessoas detidas publicamente.

No entanto, vários meios britânicos publicaram este domingo os nomes e os apelidos dos detidos, assim como fotografias.

A polícia disse ainda que continua em curso a investigação para encontrar os responsáveis pelo uso criminoso de drones, que obrigaram por duas vezes ao encerramento do aeroporto, tendo afetado, desde quarta-feira à noite, cerca de 1.000 voos e mais de 140 mil pessoas, segundo os números mais atualizados.

Na sexta-feira, aquele que é o segundo maior aeroporto do Reino Unido voltou a permitir descolagens e aterragens, apesar de ter sido detetado novamente um drone (aparelho voador não-tripulado), que levou a uma breve suspensão dos voos, depois da reabertura de manhã, após 36 horas de encerramento.

Na quinta-feira, ficaram em terra 760 voos e no dia seguinte foram cancelados 155, o que afetou mais de 120 mil passageiros, a alguns dias do Natal.

No Reino Unido, o uso de drones perto de aeroportos é punido com pena de prisão até cinco anos.

Lusa

  • Visíveis - Ruca
    31:30
  • Um presidente também chora...
    0:21