Mundo

Angela Merkel diz que Alemanha deve assumir mais responsabilidades no mundo

MIKA SCHMIDT / POOL

A Chanceler alemã diz que "as certezas da cooperação internacional foram postas à prova" na mensagem de Ano Novo que será emitida hoje.

À escala mundial,, a chanceler alemã, Angela Merkel, considera que é do interesse da Alemanha assumir mais responsabilidades numa altura em que o multilateralismo é alvo de ataques regulares.

"No nosso interesse da Alemanha, devemos assumir mais responsabilidade" afirmou Angela Merkel na mensagem de Ano Novo, que será transmitida esta segunda-feira, mas da qual o gabinete da chanceler divulgou um extrato, Angela Merkel refere que as antigas certezas em torno da cooperação internacional são postas à prova cabendo à Alemanha "argumentar e debater-se pelas suas próprias convicções".

Nenhum dos desafios globais, como as alterações climáticas, as migrações ou a luta contra o terrorismo podem ser resolvidos por um país isoladamente, advertiu.

"Para o nosso próprio interesse, queremos responder a todas essas perguntas, e podemos fazer isso melhor se tivermos em conta os interesses dos outros" , sustenta a chanceler numa mensagem que será transmitida segunda-feira, pelos às 18:00 locais.

Segundo a chanceler, a Alemanha, que ocupará um lugar como membro não-permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) em 2019 e 2020, fará campanha por "soluções globais".

Angela Merkel compromete-se, igualmente, a aumentar a ajuda humanitária para o desenvolvimento assim como o orçamento para a defesa.

"Esta é a lição das duas guerras mundiais do século XX", sustenta, ao mesmo tempo que considera que "as certezas da cooperação internacional foram postas à prova".

Embora não mencione o Presidente norte-americano nesta alocução, Merkel demarca-se das críticas de Trump ao multilateralismo.

Na assembleia-geral da ONU, em setembro, o Presidente norte-americano rejeitou a ideologia do multilateralismo, afirmando preferir a "doutrina do patriotismo".

Poucos dias depois, a chanceler alemã reagiu advertindo contra a tentação de "destruir" o multilateralismo, inclusive as Nações Unidas.

Ângela Merkel, há 13 anos chefe do governo alemão, anunciou no final de outubro que não é candidata a um novo mandato na liderança do partido conservador alemão União Democrata-Cristã (CDU, centro-direita), mas que se mantém na chefia do governo até ao fim do atual mandato (2021).

Com Lusa