Mundo

Libertado futebolista refugiado na Austrália e detido na Tailândia

DIEGO AZUBEL

Após meses de pressão internacional, não foi a Tailândia que cedeu, mas o Bahrein que recuou no pedido de extradição de Hakeem Al-Araibi. O refugiado futebolista com estatuto na Austrália foi detido em novembro durante a lua de mel em Banguecoque.

DIEGO AZUBEL

Hakeem Ali Al-Araibi detido na Tailândia desde finais de novembro de 2018, vai ser libertado, uma vez que o Bahrein recuou no pedido de extradição, anunciou hoje a procuradoria tailandesa.

"Fomos informados pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros de que o Bahrein retirou o pedido de extradição. Se não o pedem, não temos qualquer razão para o manter aqui", anunciaram as autoridades de Banguecoque.

isto após a pressão do Governo da Austrália que ainda na semana passada voltou a exigir a libertação do futebolista, com estatuto de refugiado na Austrália e que está detido pelas autoridades tailandesas desde novembro.

“O senhor al-Araib é um refugiado e residente permanente da Austrália e o Governo está profundamente preocupado com a detenção prolongada na Tailândia", referiu a ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Marise Payne, em comunicado. Al-Araib deve voltar para casa "para estar com amigos e família", sublinhou, acrescentando que a Austrália irá continuar a pressionar "ao mais alto nível a Tailândia e Bahrain" para a libertação do atleta.

A Tailândia não é signatária da Convenção da ONU sobre Refugiados, de 1951, e tem sido criticada por extraditar refugiados e requerentes de asilo para países onde são alvo de perseguição e de tortura.

Esta declaração acontece um dia depois de um tribunal da Tailândia ter decretado que o futebolista, que arrisca um processo de extradição para o país de origem, vai continuar detido pelo menos mais dois meses no país.

Também na semana passada, o ex-capitão da seleção australiana Craig Foster, que lidera uma campanha internacional para apoiar Al Araibi, que inclui a FIFA e o Comité Olímpico Internacional (COI), disse que o Bahrein e Tailândia deviam ser ameaçados de expulsão imediata do mundo dos desportos.

O tribunal concedeu a Hakeem al-Araibi 60 dias para apresentar a sua defesa e provas.

Em 2017, as autoridades australianas concederam o estatuto de refugiado ao futebolista, que havia chegado ao país em 2014, fugindo do Bahrein após ter sido condenado à revelia a dez anos de prisão por danos causados numa esquadra de polícia.

Em novembro passado, Hakeem chegou a Banguecoque, acompanhado pela mulher, vindo de Melbourne, para passar alguns dias de férias, quando foi detido no aeroporto tailandês, na sequência de uma notificação da Interpol.

Embora a Interpol tenha retirado a notificação em 04 de dezembro, o jogador doi mantido num centro de imigração na capital tailandesa.

No início do ano a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) lançou uma campanha internacional para a imediata libertação de Al-Araibi, de modo a permitir que regresse à Austrália.

A iniciativa surgiu depois de as autoridades do Bahrein terem considerado inaceitáveis os pedidos de libertação apresentados pela FIFA ou pelo ex-capitão da seleção de futebol australiana Craig Foster.

RUNGROJ YONGRIT

  • O novo templo da maçonaria portuguesa 
    6:09
  • Jogador do Penafiel sofre ataque epilético e é salvo por adversário
    2:08