Mundo

Índia anuncia que também abateu um avião paquistanês em combate aéreo

A Índia anunciou hoje que derrubou um avião paquistanês durante um confronto aéreo em que um dos seus aviões foi abatido pelo Paquistão.

No dia posterior a uma operação apresentada por Nova Deli como um "ataque preventivo" contra um campo de treino no Paquistão, a força aérea paquistanesa "visou instalações militares" na Caxemira indiana, declarou Raveesh Kumar, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Índia numa conferência de imprensa.

Kumar referiu que as "tentativas do Paquistão fracassaram".

No confronto, segundo o porta-voz, "um avião de combate da força aérea do Paquistão foi abatido por um Mig-21 Bison da força aérea da Índia".

"O avião paquistanês foi visto por tropas de terra a cair no lado paquistanês. Neste confronto, infelizmente, perdemos um MiG-21. O piloto desse caça desapareceu em combate. O Paquistão afirma que o tem detido", afirmou, acrescentando que esta última informação estava a ser verificada.

O exército indiano assegurou, na terça-feira, ter liderado um ataque contra um campo de treino no Paquistão do grupo islâmico Jaish-e-Mohammed (JEM), muito ativo na luta armada contra a Nova Deli, no Vale do Srinagar, dizendo ter matado "um grande número" de combatentes.

Islamabad denunciou imediatamente essa "agressão prematura" e prometeu responder aos ataques.

Na manhã de hoje, o Paquistão anunciou que havia realizado "ataques" à Caxemira contra alvos "não militares". O exército paquistanês alegou ter derrubado dois aviões indianos no seu espaço aéreo e ter detido um piloto indiano.

Um dos aviões teria caído na Caxemira indiana e o outro na Caxemira paquistanesa", indicou o general Asif Ghafoor, na rede social twitter.

O atentado suicida da semana passada na Caxemira indiana, que provocou a morte de 42 pessoas, foi o mais mortífero ataque desde 2002.

Reivindicado pelo grupo islâmico JeM, o atentado-suicida foi perpetrado com uma carrinha carregada de explosivos detonada perto de uma coluna de 78 veículos transportando cerca de 2.500 membros da Central Reserve Police Force (CRPF), uma força paramilitar.

A região de Caxemira é reivindicada tanto pela Índia como pelo Paquistão desde o fim da colonização britânica, em 1947.
O total das forças indianas na parte controlada por Nova Deli é estimado em cerca de 500.000 efetivos.

Uma rebelião separatista mortífera destabiliza a Caxemira indiana desde 1989.
A Índia acusa o Paquistão de apoiar de forma dissimulada as infiltrações na sua parte do território e a própria revolta armada, o que Islamabad sempre negou.

Na terça-feira, pelo menos seis pessoas foram mortas durante confrontos entre militares indianos e paquistaneses, perto da linha de demarcação das partes da Caxemira sob controlo da Índia e do Paquistão, no setor controlado por este, em Nakyal, de acordo com as autoridades paquistanesas

Lusa

  • A vila onde cabe o mundo
    9:35