Mundo

Pais do menino que caiu num poço em Málaga terão sido avisados do perigo

Jon Nazca

A garantia foi dada pelo dono do poço, em tribunal.

O dono da propriedade onde Julen morreu, em Málaga, disse esta terça-feira em tribunal que tinha advertido os pais da criança para os perigos da existência de um poço naquela área.

O proprietário foi levado a tribunal por suspeitas de homicídio por negligência, no caso do menino de dois anos que caiu num poço em Totalán, em Espanha. Segundo o El Mundo, David Serrano tapou o poço com dois blocos de cimento, como medida de segurança, e avisou os pais de Julen que a zona era perigosa e era preciso ter cuidado.

Daniel Perez

Após o incidente, o pai da criança confessou que sabia da existência de poços na propriedade, mas acreditava que estes estavam tapados. Já a mãe reconheceu que não sabia, caso contrário não deixaria Julen brincar ali.

No entanto, em tribunal, David Serrano confessou que no dia em que Julen caiu ao poço, os blocos de cimento tinham sido deslocados.

Alvaro Cabrera

Questionado sobre onde estaria no momento da queda, o dono da propriedade explicou que estava a cozinhar, com a ajuda do pai da criança, e que Julen e a sua filha estavam ao cuidado da sua mulher. A mãe de Julen estaria ao telemóvel a falar com o chefe.

De acordo com o jornal espanhol, a última vez que David Serrano viu a criança foi à mesa de jantar e assegurou que não a viu cair.

"Estava de costas para o poço. [E] Não vi a criança a correr pela vala."

Julen caiu num poço em Totalán, Málaga, a 13 de janeiro. O corpo foi encontrado 13 dias depois pelas equipas de resgate. A criança estava presa num túnel de 25 centímetros de diâmetro a 107 metros de profundidade.