Mundo

Polícia britânica investiga atos de vandalismo em cinco mesquitas em Birmingham

Aaron Chown

Sondagem revela que mais de um terço dos britânicos encaram o Islão como "uma ameaça".

Cinco mesquitas em Birmingham (centro de Inglaterra) foram esta quinta-feira de madrugada alvo de atos de vandalismo, com o registo de várias janelas partidas, tendo a polícia britânica iniciado uma investigação, com o apoio de uma unidade antiterrorismo.

"As forças policiais e a unidade antiterrorismo estão a trabalhar juntos para encontrar os responsáveis", afirmou o chefe da polícia na região de West Midlands, Dave Thompson, num comunicado.

Estes incidentes em Birmingham acontecem poucos dias depois de um atacante, identificado como um supremacista branco australiano, ter matado 50 fiéis em duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia.

Após o ataque em Christchurch, foram muitos os responsáveis britânicos que expressaram a sua solidariedade para com a comunidade muçulmana e ofereceram apoio.

A polícia britânica recebeu o primeiro alerta por volta das 02:30 locais (a mesma hora de Lisboa), quando foi informada que um homem estaria a partir as janelas da mesquita de Bichfield Road, na zona norte de Birmingham, com uma marreta.

Cerca de uma hora depois, a polícia recebeu outro alerta, que relatava um incidente similar em outra mesquita.

A polícia de West Midlands decidiu reforçar as patrulhas em outros locais de culto daquela cidade e acabou por encontrar duas outras mesquitas vandalizadas.

Ao final da manhã, foram encontrados sinais de vandalismo numa quinta mesquita.

"Os agentes estão a trabalhar para identificar as provas e as imagens de videovigilância estão a ser analisadas", precisou a polícia local.

De acordo com as agências internacionais, a polícia está a considerar que estes incidentes em Birmingham estão ligados entre si. Nenhum motivo foi ainda estabelecido.

O ministro do Interior britânico, Sajid Javid, afirmou, entretanto, que estes incidentes em Birmingham são "profundamente preocupantes".

Na rede social Twitter, o ministro enfatizou:

"O comportamento de ódio não tem absolutamente lugar na nossa sociedade e nunca será aceite".

Após os ataques em Christchurch, a polícia britânica anunciou que iria realizar patrulhas perto das mesquitas em todo o país, de forma a "tranquilizar" os fiéis.

Várias associações antirracismo têm vindo a alertar para o aumento da islamofobia na sociedade britânica.

Segundo uma sondagem apresentada em fevereiro passado pela associação Hope Not Hate (Esperança não Ódio, na tradução em português), mais de um terço dos britânicos encaram o Islão como "uma ameaça" ao seu modo de vida.

Lusa