Mundo

Homem de 95 anos apanha quatro autocarros para protestar contra o racismo

Veterano da II Guerra foi motivado pelo ataque às duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, que fez 50 mortos.

John Sato não costuma afastar-se muito da cidade neozelandesa de Howick, onde vive. Mas, no domingo, o veterano da II Guerra Mundial, de 95 anos, quebrou a rotina para viajar até Auckland e participar num protesto contra o racismo.

Apesar das duas cidades estarem separadas apenas por cerca de 20 quilómetros, o veterano teve de apanhar quatro autocarros diferentes para chegar ao destino.

Em entrevista à Radio New Zeland, John Sato confessou que o tiroteio nas duas mesquitas em Christchurch foi o motivo que o levou até à manifestação de apoio à comunidade muçulmana e contra o racismo.

"Fico acordado durante a noite. Nunca mais dormi bem desde então. Foi tão triste e é possível sentir o sofrimento de outras pessoas", disse o veterano de 95 anos à radio local.

"É uma tragédia, mas tem o outro lado. Uniu as pessoas, que perceberam de repente que somos todos um só. Preocupamo-nos uns com os outros."

A viagem

Ao ouvir sobre as vigílias e eventos de homenagem por todo o país, John Sato decidiu que queria visitar uma mesquita em Pakuranga, perto de casa.

O veterano saiu de Howick às 10:00 e apanhou um autocarro para Pakuranga, onde viu as mensagens e flores. Também ele prestou homenagem às vítimas do ataque terrorista e decidiu que ainda não estava na hora de ir para casa.

Três autocarros depois, John Sato chegou ao centro da cidade de Auckland, onde foi recebido por um grupo de pessoas que o ajudaram a seguir na marcha contra o racismo.

Depois da homenagem, um polícia ainda se ofereceu para o levar a casa: "o agente até ficou à espera que eu subisse as escadas e entrasse em casa."

John Sato era apenas um jovem quando foi recrutado pelo exército da Nova Zelândia para combater na II Guerra Mundial contra o Japão. Para ele, a guerra tirou a vida a pessoas inocentes e foi uma perda de tempo.

O vetereno de 95 anos diz que a vida é demasiado curta para ser gasta em coisas sem sentido, como o ódio.

  • “Vamos a Jogo” acompanhou Luís Filipe Vieira no dia da reconquista
    15:21
  • Visíveis - Ruca
    31:30