Mundo

Radovan Karadzic recorre da condenação a prisão perpétua

Os juízes irão agora decidir se aceitam ou não o pedido de revisão da sentença.

O ex-líder dos sérvios na Bósnia, Radovan Karadzic, recorreu esta quinta-feira da pena de prisão perpétua anunciada pelo tribunal internacional das Nações Unidas, sob a acusação de genocídio e crimes de guerra, de 1992 a 1995.

"O Presidente Radovan Karadzic recorreu da sentença de prisão perpétua" anunciada no julgamento de quarta-feira passada, declarou o advogado do líder sérvio, Peter Robinson, num comunicado divulgado pelo Mecanismo de Tribunais Penais Internacionais (MTPI).

40 anos de prisão

Os juízes do MTPI irão agora decidir se aceitam ou não o pedido de revisão da sentença, inicialmente fixada em 40 anos de prisão, devido aos crimes cometidos nos conflitos que sucederam à desintegração da Jugoslávia em 1991, após as independências unilaterais da Eslovénia e Croácia.

Radiovan Karadzic é o mais alto responsável em julgamento, após a morte do antigo Presidente sérvio, Slobodan Milosevic, que enfrentava o mesmo processo pelo conflito na ex-república jugoslava entre os exércitos muçulmano, sérvio e croata, com um balanço de mais de 100.000 mortos e 2,2 milhões de refugiados.

Em 2017, e numa das suas últimas deliberações, o Tribunal Penal internacional para a ex-Jugoslávia, encerrado naquele ano, condenou também a prisão perpétua por acusações semelhantes o ex-comandante militar dos sérvios bósnios, general Ratko Mladic, que recorreu da sentença.

Lusa

  • “Vamos a Jogo” acompanhou Luís Filipe Vieira no dia da reconquista
    15:21