Mundo

O herói de 18 anos que deu a vida para salvar os colegas

AP

Pai tinha-lhe pedido que não fosse um herói.

Kendrick Castillo morreu na terça-feira durante o tiroteio numa escola no Colorado, Estados Unidos. Pelo menos oito pessoas ficaram feridas, mas os números não foram mais altos devido à atitude altruísta do jovem de 18 anos.

O pai de Kendrick, John Castillo, já tinha discutido com o filho o que fazer no caso de ser confrontando por um atirador na escola, pedindo-lhe que não fosse um herói, mas Kendrick não seguiu o conselho.

Morreu a proteger os colegas, depois de se lançar sobre o atirador para permitir que fugissem e se escondessem. Acabou por ser atingido fatalmente, como recorda uma das amigas, Nui Giasolli.

“Kendrick atacou o atirador e ele disparou, dando-nos a todos tempo suficiente para nos escondermos debaixo das secretárias, para nos proteger e atravessar a sala para fugir.”

A jovem acredita que Kendrick, à semelhança de Jackson Gregory e Lucas Albertoni, que também se envolveram fisicamente com o atirador, salvaram a sua vida. Descreve a atitude dos colegas como “corajosa”, sacrificando-se em prol dos outros.

Recordado como “uma das pessoas mais simpáticas da escola”, Kendrick era conhecido por ajudar constantemente colegas que precisassem, mesmo que não os conhecesse.

Depois do tiroteio, o pai revelou à NBC News a conversa que tinha tido com o filho. “Não sejas um herói”, pediu-lhe, explicando-lhe como agir numa situação destas. Kendrick, que estava a três dias de se licenciar, explicou porque não respeitaria o pedido do pai.

“Educaste-me assim. Criaste-me para ser uma boa pessoa. É isso que estou a fazer.”

  • Votar? É mais praia...
    2:43

    Europeias 2019

    Em dia de eleições e calor intenso, a praia da região urbana de Carcavelos esteve muito concorrida, com os respetivos engarrafamentos na Avenida Marginal na ida e no regresso. E com os depoimentos dos veraneantes a merecer reflexão.