Mundo

Homem que atacou sinagoga nos Estados Unidos acusado de 109 crimes

POOL New

Earnest arrisca-se a ser condenado à morte ou a prisão perpétua.

O Ministério Público norte-americano acusou de 109 crimes o homem suspeito de matar uma pessoa e ferir três no ataque a uma sinagoga no mês passado, na Califórnia.

John Earnest já tinha sido acusado de homicídio e tentativa de homicídio e foi agora acusado de crimes de ódio pelo ataque na sinagoga Chabad, na localidade de Poway.

O jovem de 19 anos foi também acusado por fogo posto numa mesquita no mês de março, ato que reivindicou num manifesto racista e antissemita colocado na internet horas antes do ataque de abril, em que declarava a supremacia da "raça branca".

Earnest declarou-se inocente do ataque, mas arrisca ser condenado à morte ou a prisão perpétua.

"Não vamos tolerar que os nossos concidadãos sejam atacados até nos seus lugares de culto, onde se devem sentir livres e em segurança para exercerem o direito de praticarem a sua religião", afirmou o procurador federal Robert Brewer.

Em 27 de abril, John Earnest entrou na sinagoga, perto da cidade de San Diego, e disparou uma espingarda de assalto que acabou por encravar, matando uma mulher de 60 anos, Lori Kaye, e ferindo três pessoas, entre as quais uma criança.

Lusa