Mundo

Israelita acusado de cuspir no embaixador polaco foi detido

Amir Cohen

O embaixador polaco em Israel encontrava-se no seu carro quando um homem se aproximou e cuspiu sobre ele, disse um porta-voz da polícia,

Um israelita foi detido por ter cuspido no embaixador polaco em Israel, indicou hoje a polícia israelita, numa altura de tensão nas relações entre os dois países.

O diplomata, Marek Magierowski, encontrava-se no seu carro na terça-feira quando um homem se aproximou e cuspiu sobre ele, disse um porta-voz da polícia, Micky Rosenfeld.


A imprensa israelita indicou que o incidente ocorreu durante o dia perto da embaixada da Polónia em Telavive.


O suspeito, um homem de 65 anos que vive em Herzliya, perto de Telavive, foi detido não muito longe da embaixada, adiantou o porta-voz.

Deve ser presente ainda hoje a um juiz.

A embaixadora de Israel na Polónia, Anna Azari, foi convocada ao Ministério dos Negócios Estrangeiros em Varsóvia devido ao incidente, disse Ewa Suwara, porta-voz do ministério.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, condenou na rede social Twitter a agressão, que considerou "racista".


"Não devemos nunca tolerar a violência contra os diplomatas ou qualquer outro cidadão", disse.

Michal Dworczyk, chefe de gabinete de Morawiecki, disse que o governo polaco espera que o agressor seja punido.


O porta-voz dos Negócios Estrangeiros israelitas, Emmanuel Nahshon, expressou "a máxima simpatia pelo embaixador e o choque sentido face a esta agressão".


O incidente ocorre num período de crispação nas relações entre Israel e a Polónia.

Varsóvia anunciou na segunda-feira ter anulado uma visita de responsáveis israelitas devido à sua intenção de levantarem a questão da restituição de bens judeus confiscados após o Holocausto, um dossier considerado fechado por Varsóvia.


Em fevereiro, o chefe da diplomacia israelita, Israel Katz, ofendeu Varsóvia declarando a uma emissora israelita que "os polacos sugam o antissemitismo com o leite da mãe", levando a Polónia a boicotar uma cimeira prevista para Jerusalém de quatro países da Europa de Leste.

O ano passado, as relações entre os dois países atravessaram uma crise séria após a aprovação de uma lei polaca, que acabou por ser emendada e que Israel e os Estados Unidos viam como uma tentativa de impedir os sobreviventes do Holocausto de evocarem os crimes dos polacos contra eles.

Lusa

  • Votar? É mais praia...
    2:43

    Europeias 2019

    Em dia de eleições e calor intenso, a praia da região urbana de Carcavelos esteve muito concorrida, com os respetivos engarrafamentos na Avenida Marginal na ida e no regresso. E com os depoimentos dos veraneantes a merecer reflexão.