Mundo

Palestinianos anulam protesto das sextas-feiras na Faixa de Gaza

MOHAMMED SABER / EPA

Esta é apenas a segunda vez que estas concentrações são anuladas desde o início da mobilização em março de 2018.

Os palestinianos anularam o protesto organizado todas as sextas-feiras na Faixa de Gaza, ao longo da barreira de segurança que separa o enclave do território israelita, anunciaram hoje os organizadores.

Esta é apenas a segunda vez que estas concentrações são anuladas desde o início da mobilização em março de 2018, para protestar contra o bloqueio israelita ao enclave e exigir o direito de retorno dos palestinianos às terras de onde fugiram ou foram expulsos aquando da criação do Estado hebreu em 1948.

O comité da organização justificou-se num comunicado com o calor e com o facto de os palestinianos terem sido chamados a manifestar-se na quarta-feira, para assinalar, como fazem anualmente, a 'Nakba', a "catástrofe" que representou para eles a criação de Israel em 1948.

A anulação ocorre enquanto continuam os esforços para dissipar meses de tensão entre Israel e organizações da Faixa de Gaza.

Há uma dezena de dias foi anunciado um cessar-fogo, após a pior onda de violência entre Israel e os grupos armados palestinianos no enclave desde a guerra de 2014.

Os protestos das sextas-feiras resultam quase sempre em confrontos entre uma parte dos participantes e os soldados israelitas que guardam a fronteira.

Pelo menos 293 palestinianos morreram devido a tiros israelitas desde março de 2018, a grande maioria ao longo da fronteira.

Seis israelitas foram mortos no mesmo período de tempo.

Os organizadores asseguram que a mobilização tem origem na sociedade civil e acusam Israel de uso excessivo da força.

O Estado hebreu acusa o movimento radical Hamas, que controla a Faixa de Gaza, de orquestrar o movimento e alega não fazer mais do que defender as suas fronteiras.

Lusa