Mundo

Vibrador e kit de depilação foram os prémios entregues às vencedoras do campeonato de Squash em Espanha

Clube que organizou o evento pede desculpa, mas não considera os prémios sexistas nem de mau gosto.

O caso está a chocar Espanha e não é para menos. A organização do Campeonato de Squash das Astúrias, realizado nos dias 10 e 11 de maio, entregou às quatro vencedoras da competição um vibrador, dois kits de depilação e uma lima eletrica, juntamente com os troféus. Aos homens apenas as habituais taças e medalhas.

Ao jornal Marca, Elisabeth Sadó, uma das vencedoras e também coordenadora do Comissão de Squash e Mulheres da Federação das Astúrias explica: "ficamos chocados e indignados, tenho 37 anos, estou a competir desde os 8 e nunca, na minha vida, recebei um prémio tão sexista. O normal é receber equipamento desportivo. O vibrador foi a maior surpresa".

Foto Elisabeth Sadó

Foto Elisabeth Sadó

"É uma barbaridade e não pode voltar a acontecer. A recompensa dos nossos treinos não pode ser esta. Falta uma Lei do Desporto que ajude a que isto não aconteça e que, face a situações de discriminação de género, crie algum tipo de infração para que não volte a ocorrer", acrescenta Elisabeth Sadó.

As atletas escreveram uma carta à Federação de Squash do Principado das Astúrias. "Nunca tinha acontecido algo parecido em toda a história", afirmou a membro do Conselho de Administração da Federação, Maribel Toyos, citada pelo "El País".

Caso provoca três demissões

O assunto está agora nas mãos do Instituto Asturiano da Mulher e já causou três demissões no clube que organizou o evento, o Oviedo Squash.

O clube emitiu um comunicado a pedir desculpa às jogadoras, mas, segundo o jornal "Marca", não considera os prémios sexistas nem de mau gosto.

"Pedem desculpas e explicam que não queriam ofender as jogadoras. Mas se não consideram as prendas sexistas, porque não as ofereceram também aos homens?" pergunta Maribel Toyos, da Federação numa entrevista ao jornal Marca.

Esta não é a primeira vez que as jogadoras sentem a discriminação na pele. Elisabet Sadó lembra que as mulheres costumam receber "prémios desiguais, uniformes masculinos e piores horários para jogar". Este último episódio foi a "a gota de água".