Mundo

Chanceler austríaco deverá ser hoje afastado do cargo

Leonhard Foeger

Extrema-direita austríaca retira apoio a Sebastian Kurz e votará a favor de moção de censura.

O partido de extrema-direita austríaco FPÖ junta-se à esquerda para afastar o chanceler conservador Sebastian Kurz numa moção de censura que vai ser hoje votada no Parlamento, anunciou o novo líder do partido, Norbert Hofer.

O FPÖ "vai aprovar" a moção de censura, anunciou hoje numa reunião do partido em Viena. O partido social-democrata anunciou domingo à noite que também vai votar a favor da moção de censura. Estas duas formações políticas têm em conjunto a maioria absoluta.

A moção de censura foi apresentada pelo pequeno partido ecologista Jetzt.

Com os votos já anunciados dos sociais-democratas e do FPÖ, está constituída a maioria necessária para fazer cair o chefe do governo antes das legislativas antecipadas previstas para setembro.

Caso se confirme, o Presidente da República, Alexander Van der Bellen, terá de nomear um chanceler de transição no mais curto espaço de tempo.

Ibizagate

A coligação direita/extrema-direita no poder na Áustria foi abalada por um escândalo de corrupção - o Ibizagate - que levou a Áustria a convocar eleições antecipadas.

A divulgação de extratos de um vídeo em que o anterior líder do FPÖ, Heinz-Christian Strache, foi filmado, por uma câmara oculta, a prometer a uma suposta sobrinha de um milionário russo, alguns meses antes das eleições legislativas austríacas de 2017, a adjudicação de contratos públicos em troca de apoio financeiro e mediático ao seu partido.

O escândalo veio perturbar a cena política austríaca a alguns dias das eleições europeias e levou à demissão de Strache de todos os seus cargos, incluindo o de vice-chanceler, e posteriormente à saída do governo de todos os ministros do FPÖ.