Mundo

Motim em prisão brasileira faz 15 mortos

Ueslei Marcelino / Reuters

Cadeia no estado do Amazonas.

Quinze pessoas morreram em confrontos numa prisão no estado do Amazonas, no norte do Brasil, de acordo com um novo balanço fornecido pela administração do estabelecimento prisional.

O anterior balanço apontava para oito mortos.

Segundo um comunicado da secretaria de Estado de Administração Penitenciária, grupos rivais começaram a lutar entre si pelas 12:00 de sábado, tendo sido enviados rapidamente reforços para o Complexo Penitenciário Anisio Jobim (COMPAJ).

O confronto entre os presos começou durante o horário de visita do complexo, localizado a 28 quilómetros de Manaus, capital do Amazonas, disse a administração da prisão.

Esta cadeia já tinha sido palco, em janeiro de 2017, de um motim que causou 56 mortos e durou 20 horas.

"Esta foi uma luta entre os detidos", disse o responsável da prisão regional, coronel Vinicius Almeida, em conferência de imprensa.

"Algumas mortes foram causadas por asfixia, outras por perfuração com objetos pontiagudos como escovas de dentes", acrescentou.

A polícia pôs fim aos confrontos após 40 minutos, sem quaisquer registos de fugas ou de reféns e nenhum funcionário da prisão foi morto ou ferido, disseram as autoridades.

As mortes resultaram de uma luta “entre dois grupos organizados da penitenciária, que têm conflitos entre eles, e que aproveitaram o momento das visitas familiares para realizar esta ação", afirmou secretário de Segurança Pública do Amazonas, Louismar Bonates, em declarações ao jornal Folha de São Paulo.

Com quase 727.000 presos em 2016, o Brasil tem a terceira maior população prisional do mundo.

Lusa

  • “Este despacho não é sobre casas de banho, é sobre pessoas”
    13:47