Mundo

NATO prepara-se para nova política espacial

ANDY RAIN / POOL

A organização está também a impulsionar as suas ciberdefesas, inclusive um novo centro de operações no ciberespaço.

A NATO espera aprovar em junho uma nova política espacial, enquanto também prepara um reforço das suas defesas na área digital com um novo centro de operações no ciberespaço, anunciou esta terça-feira o secretário-geral Jens Stoltenberg.

"Observamos ciberataques mais frequentes e complexos contra as nossas redes, razão pela qual é tão importante que continuemos a reforçar as nossas ciberdefesas", declarou aos media o líder da Aliança e ex-primeiro-ministro norueguês.

A NATO celebrou hoje a sua primeira reunião de assessores de segurança nacional e de altos funcionários para rever a estratégia aliada contra as ameaças híbridas, que combinam métodos tradicionais de guerra com outras estratégias menos convencionais, como a desinformação.

"Também estamos a trabalhar numa política espacial global, outra prioridade para a NATO", revelou Stoltenberg, que admitiu a sua aprovação em junho pelos ministros da Defesa aliados.

O chefe da NATO também assegurou que a organização está a impulsionar as suas ciberdefesas, inclusive um novo centro de operações no ciberespaço.

Segundo o secretário-geral, foi abordada a forma de melhorar o conhecimento da situação através da partilha mais eficaz de informações entre os aliados.

"A própria natureza das ameaças híbridas reside em estarem disfarçadas e não poderem ser rejeitadas. Assim, temos de assegurar que podemos detetá-las", indicou o político norueguês. "Um bom serviço de inteligência é uma boa dissuasão", disse.

Em paralelo, Stoltenberg disse que na reunião de hoje também foi abordada a necessidade de reforçar a resiliência das infraestruturas críticas nacionais, como redes de telecomunicações, 5G, cabos submarinos e recursos no espaço, para além de pugnar por um reforço da cooperação com a União Europeia.

Lusa