Mundo

Dez mil casos suspeitos de cólera observados no Iémen em quatro meses

Khaled Abdullah

Iemenitas continuam a "enfrentar enormes dificuldades para aceder a cuidados de saúde".

Cerca de 10.000 casos suspeitos de cólera em cinco províncias do Iémen deram entrada em centros dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) entre 01 de janeiro e 01 de maio, indicou esta terça-feira a organização médica humanitária.

As províncias em causa eram Amran, Hajjah, Sanaa, Taiz e Ibb, dizendo respeito a esta última 59% dos casos, adianta a organização.

A MSF-Portugal refere num comunicado que entre janeiro e março deste ano o número de doentes de cólera tratados nas suas instalações médicas aumentou "de 140 para 2.000 por semana".

"A tendência começou a inverter-se em abril e os casos suspeitos de cólera continuaram desde aí a baixar consistentemente por todo o país", adianta.

No entanto, a cólera é endémica no Iémen, alertando a MSF para o "ressurgimento de cólera, difteria e sarampo (...), devido ao total colapso do sistema de saúde no país", em guerra desde 2014.

A organização assinala que os iemenitas continuam a "enfrentar enormes dificuldades para aceder a cuidados de saúde e para conseguir comprar bens essenciais como alimentos e combustível".

A cólera, que não sendo tratada pode ter uma taxa de mortalidade de até 40%, é fácil de combater se as pessoas conseguirem rapidamente aceder aos cuidados de saúde.

O conflito no Iémen, desencadeado em meados de 2014, já matou dezenas de milhares de pessoas, incluindo numerosos civis, segundo diversas organizações humanitárias.

Causou ainda 3,3 milhões de deslocados e a maior crise humanitária mundial, de acordo com a ONU.

Lusa

  • Há quem espere mais de um ano para conseguir vaga no SEF
    5:06
  • “Este despacho não é sobre casas de banho, é sobre pessoas”
    13:47