Mundo

Duas especialistas em plantas distinguidas com Prémio Princesa das Astúrias

David Gray

No Dia Mundial do Ambiente é anunciado mais um galardão para a defesa da biodiversidade e contra as alterações climáticas.

Joanne Chory já tinha sido distinguida com o Prémio inovação da da Science Life, entregue no Centro de Pesquisa Ames da NASA a 3 de dezembro de 2017, em Mountain View, na Califórnia, nos EUA

Joanne Chory já tinha sido distinguida com o Prémio inovação da da Science Life, entregue no Centro de Pesquisa Ames da NASA a 3 de dezembro de 2017, em Mountain View, na Califórnia, nos EUA

Peter Barreras

A norte-americana Joanne Chory e a argentina Sandra Myrna Díaz foram distinguidas hoje em Oviedo (Espanha) com o Prémio Princesa das Astúrias da Investigação Científica e Técnica 2019, pelo seu "trabalho de vanguarda" em novas linhas de investigação.

O júri do prémio considerou que o trabalho realizado em separado por estas duas biólogas especialistas em plantas terá "futuras implicações destacadas" na luta contra as alterações climáticas e os seus efeitos, assim como na defesa da biodiversidade.

Joanne Chory nasceu em 1955 nos Estados Unidos e tem-se dedicado ao estudo dos mecanismos que regulam o funcionamento das plantas.

As suas contribuições sobre o papel do fitocromo, uma proteína vegetal sensível à luz vermelha e infravermelha, e a corregulação de genes envolvidos na fotossíntese têm tido um reconhecimento particular.

Sandra Myrna Díaz nasceu em 1961 na Argentina e é uma referência científica na área da ecologia, sendo especializada em botânica

Sandra Myrna Díaz nasceu em 1961 na Argentina e é uma referência científica na área da ecologia, sendo especializada em botânica

Inter-American Institute for Global Change Research (IAI)

Sandra Myrna Díaz nasceu em 1961 na Argentina e é uma referência científica na área da ecologia, sendo especializada em botânica.

Entre outras coisas, participou no desenvolvimento de uma ferramenta metodológica para quantificar os efeitos e benefícios da biodiversidade das plantas e a ecologia vegetal dos ecossistemas.

7.º galardão este ano

Este é o sétimo galardão que a fundação espanhola já anunciou este ano, depois de ter concedido ao encenador britânico Peter Brook o prémio das Artes, ao Museu do Prado o da Comunicação e Humanidades, à Academia Khan o da Cooperação Internacional, à ex-esquiadora norte-americana Lindsey Vonn o prémio dos Desportos, à escritora norte-americana Siri Hustvedt o das Letras e ao sociólogo norte-americano de origem cubana Alejandro Portes o das Ciências Sociais.

Cada premiado recebe uma escultura do pintor e escultor espanhol Joan Miró -- símbolo que representa o galardão -, 50.000 euros, um diploma e uma insígnia entregues numa cerimónia solene presidida pelo rei de Espanha, Felipe VI, que terá lugar em outubro no teatro Campoamor, em Oviedo.

Os Prémios Princesa das Astúrias distinguem o "trabalho científico, técnico, cultural, social e humanitário" realizado por pessoas ou instituições a nível internacional.


Com Lusa