Mundo

Árvore da amizade entre Trump e Macron morre

Joshua Roberts

Muitos consideram a morte da árvore como uma metáfora das relações atuais entre os dois presidentes.

A árvore da amizade plantada por Donald Trump e Emmanuel Macron na Casa Branca morreu. O carvalho foi plantado durante a visita do Presidente francês aos Estados Unidos da América, num gesto simbólico para assinalar a união entre os dois países.

Em abril do ano passado, os dois líderes e as mulheres juntaram-se no jardim da Casa Branca com pás douradas nas mãos, arregaçaram mangas e plantaram o carvalho, um presente de França para os Estados Unidos da América.

Joshua Roberts

O carvalho veio de um bosque no norte de França, onde cerca de dois mil soldados norte-americanos morreram na Batalha de Belleau.

Depois de ser plantada, a árvore foi retirada e posta em quarentena. Este é um procedimento obrigatório nos Estados Unidos da América, quando se trata de um organismo vivo importado, para impedir a propagação de doenças e insetos.

No entanto, segundo a CNN, a árvore não sobreviveu durante a quarentena e o espaço onde foi plantada permanece vazio.

Yuri Gripas

A morte da árvore da amizade e a atual relação entre Trump e Macron

Segundo a CNN, muitos estão a olhar para a morte da árvore como uma metáfora da atual relação entre Donald Trump e Emmanuel Macron.

Apesar dos dois presidentes se terem mostrado cordiais durante as comemorações do Dia D, em França, as relações diplomáticas têm vindo a deteriorar-se no último ano.

Os líderes estão cada vez mais distantes em assuntos como as alterações climáticas, o pacto com o Irão e a relação com a Europa. Ao longo do último ano, trocaram várias críticas e avisos.

  • Irão, protecionismo e jardinagem. A visita de Estado de Marcon aos EUA
    1:19

    Mundo

    Emmanuel Macron está em Washington, numa visita de Estado que tem o Irão e o protecionismo norte-americano em pano de fundo. Ontem, Trump e o homólogo francês plantaram uma árvore e visitaram monumentos históricos. O dia acabou com um jantar de Estado, o primeiro oferecido a um líder estrangeiro nos 15 meses de Trump na Casa Branca.