Mundo

Porque Daniel Kelley se tornou um hacker

Stefan Wermuth

O estudante foi condenado por vários ataques cibernéticos que cometeu aos 16 anos.

De acordo com a BBC, Daniel Kelley, um estudante de Llanelli, Carmarthenshire, no País de Gales, foi declarado culpado em 2016 por 11 crimes de ataques cibernéticos, que envolveram a empresa de comunicações britânica TalkTalk.

Nestes ataques, o jovem conseguiu roubar os dados de cerca de 150 mil trabalhadores e acabou condenado a 4 anos numa instituição para delinquentes.

Tudo porque tinha reprovado num teste que lhe permitia entrar num curso de informática, e que o levou a ser motivo de chacota por parte dos colegas, quando tinha 16 anos.

Daniel Kelley começou por hackear a própria escola por vingança, e acabou por ter repercussões no Setor Público do Governo, que incluiu escolas, hospitais e serviços de emergência, e resultou em "sérios riscos clínicos".

O jovem foi preso mas acabou por sair em fiança, e manteve estes hábitos criminosos, que foram impulsionados, mais tarde, por motivos financeiros.

Ele hackeou a empresa TalkTalk e chantageou a Baronesa Harding de Winscombe, assim como cinco outros executivos, por Bitcoins.

Apesar de tudo, apenas recebeu cerca de 4.955 euros, em vez dos 129.497 pedidos.

Daniel Kelley tem Síndrome de Asperger e desde que se declarou culpado, há 3 anos,que sofre de depressão severa e perda de peso.

O juiz Mark Dennis considera que o jovem hackeou computadores "em proveito próprio", independementemente dos danos que causou.

Entre setembro de 2013 e novembro de 2015, usou a informação roubada através de ataques a várias empresas para chantagear os indíviduos e as companhias.

Mas apesar do anonimato, os crimes que cometeu permaneceram no histórico.

O Procurador Peter Ratliff descreve-o como uma pessoa capaz de "fazer bullying, intimidar e destruir as vítimas que selecionou de uma posição de anonimato e segurança - atrás do ecrã de um computador".

Foram também encontrados na sua posse ficheiros que continham informação de vários cartões de crédito.

  • E Se Fosse Consigo? A pobreza e a exclusão social
    34:51