Mundo

Direita vai governar Madrid com apoio da extrema-direita

EMILIO NARANJO / POOL

Acordo foi alcançado três semanas depois das eleições municipais.

O candidato do Partido Popular (PP, direita) José Luis Martínez-Almeida foi este sábado eleito presidente da Câmara de Madrid devido a uma coligação com o Cidadãos (Cs, direita liberal) e o apoio da extrema-direita do Vox.

Três semanas depois das eleições municipais, e depois de intensas negociações, o candidato conservador foi eleito com o voto favorável de 30 conselheiros municipais, mais do que a maioria absoluta necessária.

Martínez-Almeida sucede no cargo a Manuela Carmena, uma antiga magistrada eleita em 2015 com o apoio dos socialistas do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE).

O acordo agora alcançado entre os partidos de direita teve o apoio dos quatro conselheiros municipais eleitos pelo Vox, que vão ter "funções" ainda não definidas.

O novo executivo municipal será anunciado na segunda-feira, nomeadamente que "funções" vão ser atribuídas aos eleitos do Vox, possivelmente vereadores distritais, conforme disseram à agência EFE fontes do PP.

Várias localidades de Espanha concluíram nos últimos dias acordos semelhantes com o apoio do Vox, criado em 2013 mas que até há um ano estava praticamente ausente da cena política espanhola.Nas eleições legislativas de abril, o Vox obteve 10% dos votos e elegeu 24 deputados ao parlamento espanhol.

"Vão ouvir-nos lamentar tanto quanto for preciso o facto de terem decidido dar a uma força como o Vox a capacidade de decidir sobre o governo da cidade mais importante de Espanha e uma das mais importantes do mundo", advertiu o candidato socialista à câmara da capital, Pepu Hernandez.

O novo executivo municipal é apoiado pelo líder do PP, Pablo Casado, que disse acreditar que Madrid marca o início de uma mudança em Espanha.

O líder dos Cidadãos, Albert Rivera, não se pronunciou ainda especificamente sobre o acordo em Madrid, mas, segundo a imprensa espanhola, foi advertido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, de que uma eventual aliança a nível nacional com a extrema-direita pode pôr em causa a cooperação política entre ambos os partidos na União Europeia.

O partido de Macron que se apresentou às europeias de maio, Renascença em Marcha, aliou-se ao grupo dos liberais no Parlamento Europeu (PE), até agora denominado Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE) e doravante designado Renew Europe (Renovar a Europa).

O Cidadãos integra a mesma família política, cuja principal delegação é a de Macron, com 21 eurodeputados.

Uma aliança em Espanha entre os liberais do "Ciudadanos e a extrema-direita colocaria em questão a cooperação política para construir um grupo centrista renovado no seio da União Europeia", afirmou hoje fonte da presidência francesa à agência AFP, que pediu confirmação de notícias nesse sentido surgidas na imprensa espanhola.

"É preciso haver coerência ideológica. Um grupo progressista e liberal não pode permitir-se ser acusado de fraqueza ou de ambiguidade" pela aproximação a forças populistas, acrescentou a fonte.

Lusa

  • O que houve de melhor no SBSR
    11:16
  • Descobrir as rotas do Alentejo
    14:59