Mundo

Confrontos entre regime e 'jihadistas' na Síria provocam pelo menos 22 mortos

Pelo menos 22 combatentes morreram hoje em confrontos entre tropas do regime e forças dominadas por 'jihadistas' no noroeste da Síria, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Desde finais de abril, o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, apoiado pela Rússia (aliado tradicional de Damasco), intensificou os bombardeamentos na província de Idlib e em outras áreas circundantes, ainda controladas por forças insurgentes e 'jihadistas'.

Os bombardeamentos mataram mais de 550 civis e forçaram a fuga de mais de 330 mil pessoas, segundo os dados mais recentes do OSDH e das Nações Unidas.Na passada sexta-feira, os confrontos mataram pelo menos dez combatentes do regime sírio e 12 rebeldes e 'jihadistas', indicou o OSDH.

Os confrontos estão concentrados na zona da aldeia de Hamameyat e na sua colina na província de Hama, perto de Idlib.A província de Idlib, que conta com uma população de três milhões de pessoas, é dominada pelo grupo 'jihadista' Hayat Tahrir al-Sham (HTS, grupo controlado pelo ex-braço sírio da Al-Qaida).

Esta região foi objeto de um acordo entre a Rússia e a Turquia, com a criação de uma "zona desmilitarizada" que permitiu evitar uma grande ofensiva.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos 'jihadistas', e várias frentes de combate.

Num território bastante fragmentado, o conflito civil na Síria provocou, desde 2011, mais de 370 mil mortos, incluindo mais de 100 mil civis, e milhões de deslocados e refugiados.

Lusa

  • Olhá Festa em Pinhel
    11:51