Mundo

Bolsonaro nega conhecer deputado Alexandre Frota expulso do seu partido

Adriano Machado

Frota ganhou fama no Brasil quando trabalhou como ator de novelas e de filmes eróticos.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, negou esta quinta-feira conhecer o deputado Alexandre Frota, expulso do seu partido - Partido Social Liberal (PSL) - na terça-feira, após se ter tornado crítico do Governo, segundo a imprensa local.

"Nem sei quem é. Quem é Alexandre Frota?", ironizou Bolsonaro em Brasília, após ser questionado por jornalistas acerca da expulsão do deputado.

Antes de entrar na vida política, Frota ganhou fama no Brasil quando trabalhou como ator de novelas e de filmes eróticos.

Filiou-se ao PSL em 2018, a convite do próprio Bolsonaro, de acordo com a imprensa local, e foi eleito deputado pelo partido para a câmara baixa parlamentar no ano passado, com 155 mil votos no Estado de São Paulo.

Frota teve uma participação ativa na campanha presidencial de Bolsonaro, mas nos últimos meses passou a discordar de muitas iniciativas propostas pelo Governo. Numa entrevista recente, Frota declarou estar "desapontado" com o Presidente brasileiro.

"Eu conheço dois Bolsonaros. Um era meu amigo até ao dia da eleição. O outro é agora Presidente.[Sobre este segundo] prefiro não comentar", disse o deputado.

Frota também criticou o PSL, partido no qual ingressou em meados do ano passado quase na véspera da campanha eleitoral.

"Desde o início, o PSL foi esquecido pelo Governo [Bolsonaro] e não fez nada em relação a isto, agora [o partido] está numa fase de divisão total", disse há duas semanas.

Depois de tantas declarações polémicas, alguns deputados do PSL solicitaram a expulsão de Frota, pedido que foi acatado pelos membros da direção nacional do partido esta terça-feira.

O deputado absteve-se de comentar a decisão do PSL, mas já na semana passada, diante da possibilidade de ser expulso, adiantou ter recebido convites para se filiar noutros partidos políticos.

"Fico feliz por saber que tenho as portas abertas em outros partidos porque isso significa que não estou a fazer coisas erradas", disse.

Lusa

  • Os tsunamis que arrasaram a Ásia em 2004 e 2011
    25:20