Mundo

Alerta em Espanha

Elizabeth White

Autoridades da Andaluzia ordenam retirada de todos os produtos de empresa com carne contaminada

O governo da Andaluzia ordenou a paralisação da atividade e a retirada de todos os produtos da empresa sevilhana Magrudis, cuja carne da marca "La Mechá" estará na origem de um surto de listeriose que já fez um morto.

O surto terá infetado cerca de 150 pessoas na Andaluzia e em outras comunidades autónomas de Espanha.

O diário El País avança que do total de infetados 53 estão hospitalizados em Sevilha, Huelva, Málaga e Cádiz. Uma idosa de 90 anos que apresentava sinais e sintomas não resistiu à infeção e acabou por morrer.

A listeriose é uma infeção causada pela bactéria 'Listeria monocytogenes', habitualmente associada ao consumo de alimentos contaminados.

Apesar de pouco frequente, a infeção pode ser grave, especialmente em imunodeprimidos e recém-nascidos.

A paralisação da atividade fabril foi adotada "do ponto de vista da prevenção", segundo o porta-voz da Junta da Andaluzia para esta crise de saúde, José Miguel Cisneros.

José Miguel Cisneros separou essa medida do possível surgimento de novos produtos contaminados e argumentou que a bactéria Listeria só foi detetada na carne "Mechá", cuja produção foi paralisada a 15 de agosto.

O responsável insistiu que a Listeriose é uma doença de declaração obrigatória desde 2011, pelo que a sua deteção e controle está sujeita a procedimentos protocolizados, que o Conselho da Andaluzia está a cumprir.

O diretor da unidade infecciosa do Hospital Virgen del Rocío, em Sevilha, onde há mais hospitalizados devido ao surto, reiterou o seu apelo à tranquilidade da população.

"Somente os pacientes que consumiram o produto identificado têm que ir ao médico, os outros, que não se preocupam, porque não têm Listeria", acrescentou.

José Manuel Cisneros defendeu "uma análise calma" da crise tendo em conta o facto de todos os dados serem conhecidos."Seria injustificável uma situação de pânico", quando a fonte da contaminação foi identificada, acrescentou.

A Listeria, adiantou, está presente em 1% da população sem efeitos patogénicos e "só causa doenças quando um alimento é contaminado e ali se reproduz e atinge quantidades que constituem uma ameaça à saúde".

Lusa