Mundo

Ativado alerta de saúde em Espanha

O surto de intoxicação alimentar foi causado pela toxina botulínica, detetada em atum enlatado em óleo de girassol da marca Dia.

A Agência Espanhola de Segurança e Nutrição Alimentar (Aesan) ativou um alerta de saúde para um surto de intoxicação alimentar causado pela toxina botulínica, detetada em atum enlatado em óleo de girassol da marca Dia.


O surto foi detetado depois de quatro pessoas terem ficado doentes depois de comerem uma salada russa caseira feita com este atum, três dos afetados já tiveram alta hospitalar.


A toxina botulínica é uma neurotoxina produzida pela bactéria 'Clostridium botulinum'.


A ingestão de alimentos contaminados pela toxina botulínica produz botulismo, uma doença caracterizada pelo desenvolvimento de distúrbios vegetativos, como boca seca, náuseas e vómitos, e por paralisia muscular progressiva.


O produto em causa é um atum em conserva no formato "RO 900" de óleo de girassol, da marca Dia, com o número de lote 19/154 023 02587 fabricado na empresa Frinsa del Noroeste S.A. com data de consumo preferencial até 31/12/2022.


O produto foi distribuído pela plataforma Dia em estabelecimentos nas comunidades autónomas espanholas das Astúrias, Castela e Leão, Catalunha, Aragão, La Rioja, Múrcia, Navarra, Castilla-La Mancha e Valência, tendo os produtos sido retirados.


Como medida de precaução, o produto em questão foi removido dos canais de marketing e as autoridades de saúde recomendam que o produto visado pelo alerta não seja consumido e seja devolvido ao ponto de compra.


A Agência Espanhola de Segurança e Nutrição Alimentar foi informada em 09 de agosto pelo Sistema Coordenado de Intercâmbio Rápido de Informações (Sciri) de uma notificação feita pelas autoridades sanitárias de Castilla y León sobre um surto de intoxicação alimentar, causado por toxina botulínica associada ao consumo de atum enlatado com o qual foi feita uma salada russa caseira.


Nesse mesmo dia, a Aesan ativou o alerta em todo o país e o produto envolvido na investigação epidemiológica, suspeito de ser a causa do surto, foi localizado e imobilizado de forma preventiva: atum em conserva em óleo de girassol da marca Dia.


Na quinta-feira, análises realizadas no Centro Nacional de Alimentos para produtos suspeitos confirmaram a presença de toxina botulínica na lata de atum consumida, segundo a Aesan.


"O surto é limitado a quatro casos, três dos quais tiveram alta, e não há registo de mais afetados", afirmam as mesmas fontes.


A empresa Dia comprometeu-se a recuperar o produto envolvido que possa estar na posse de clientes.

Lusa