Mundo

Sobe para cinco o número de lojas de portugueses alvo de ataques em Joanesburgo

Themba Hadebe

Balanço é ainda provisório.

Subiu para cinco o número de lojas de comerciantes portugueses identificados pela Lusa que foram alvo de saques e destruição material, durante a alegada violência xenófoba popular em Joanesburgo e cidades vizinhas, mas o balanço é ainda provisório.


Segundo o levantamento feito pela Lusa, os prejuízos materiais ascendem agora a 11,3 milhões de rands (cerca de 691 mil euros).


Ângelo Agostinho, 77, proprietário do supermercado Pick'n'Buy, na Western Road, em Germiston South, Ekhuruleni (Leste de Joanesburgo), relatou hoje à Lusa que o estabelecimento foi alvo de "repetidos saques" na noite de segunda-feira, 02 setembro, e as primeiras horas da madrugada do dia seguinte, por mais de uma centena de populares.


"Eram mais de uma centena a andar para cá e para lá a roubar. Pareciam formigas para cá e para lá porque arrombaram o estabelecimento por dois lados, pela frente e por trás e aquilo era só a acartar", descreveu este comerciante português que acredita ter sido "saqueado também pelos meus próprios clientes".


O supermercado do comerciante português foi o único negócio naquela zona a ser atacado por populares, sublinhou o septuagenário acrescentando que a polícia não efetuou detenções no local durante a ocorrência do incidente.


Questionado pela Lusa sobre a atuação da polícia sul-africana, Ângelo Agostinho, disse que "a polícia nada fez, não deram um tiro para o ar, não fizeram nada, parece que está tudo combinado com os ladrões, parece que estavam à espera para roubar para eles também comerem, não fizeram nada e eles [polícia] a verem tudo", precisou.


Este comerciante madeirense, natural de Ponta de Delgada, imigrado na África do Sul desde 1962, estima agora em 2,5 milhões de rands o prejuízo no negócio onde além do supermercado de 1.300 metros quadrados opera também uma loja de bebidas, um Take Away e uma Taverna, no prédio do qual também é proprietário.


A organização não governamental Forum Português da África do Sul, com cerca de oito mil membros no país, convocou para hoje um encontro, em Benoni, leste de Joanesburgo, para discutir a destruição e pilhagem de negócios de comerciantes portugueses em Joanesburgo e arredores.

Siphiwe Sibeko

De acordo com esta ONG, cerca 460 portugueses foram assassinados na África do Sul desde a queda do 'apartheid' em 1994.


Segundo as autoridades consulares portuguesas, cerca de 200 mil cidadãos encontram-se registados na África do Sul, 68 mil destes na grande Joanesburgo, mas líderes luso comunitários acreditam que os números sejam superiores.


A polícia provincial de Gauteng, envolvente a Joanesburgo, Pretória, Ekhuruleni, Kempton Park, Benoni e Germiston, epicentros de saques violentos, confirmou a morte de 11 pessoas e a pilhagem e destruição de vários negócios, na maioria de imigrantes estrangeiros.


"A polícia pode confirmar a morte de 11 homicídios durante este período dos quais sete pessoas morreram em resultado dos incidentes de violência [xenófoba] ", disse no sábado o porta-voz policial Mathapelo Peters.


A polícia anunciou também a detenção de 497 pessoas desde início no passado domingo dos saques e alegada violência xenófoba na província de Gauteng, a mais populosa da África do Sul.

Lusa

  • Leonel Pontes prefere Sporting a vencer, mesmo sem convencer
    2:18