Mundo

Onze anos de prisão para americano que incendiou cruz para intimidar negros

(Arquivo)

Tiksa Negeri

Louie Revette admitiu que queria assustar um adolescente e outros moradores negros.

Um homem norte-americano foi condenado a 11 anos de prisão por queimar uma cruz de madeira, uma prática adotada pelo movimento Ku Klux Klan para intimidar a população negra, foi anunciado.

De acordo com a agência France-Presse (AFP), em outubro de 2017, Louie Revette, de 38 anos, recrutou um cúmplice, Graham Williamson, para construir e queimar uma cruz de madeira num seminário no Mississipi, um estado do sul dos Estados Unidos com um longo historial de segregação racial.

Após ser perseguido pelas autoridades, Revette declarou-se culpado e admitiu que queria assustar um adolescente e outros moradores negros.

O seu cúmplice também já assumiu a culpa, devendo a sua sentença ser determinada em novembro.

"Ele aterrorizou os membros de uma comunidade unicamente por causa da sua raça", referiu, em comunicado, o responsável pela proteção dos direitos civis do Ministério da Justiça, Eric Dreiband. Este responsável prometeu ainda "perseguir todos os crimes racistas com toda a força da lei".

Fundada em 1866 sob o ideal da supremacia branca, o Ku Klux Klan atingiu em 1925, no seu auge, cerca de cinco milhões de membros.

Lusa