Mundo

A ameaça é real: pandemia mundial poderá matar milhões de pessoas

James Akena

O mundo está a enfrentar uma ameaça crescente, alerta a Organização Mundial de Saúde.

A probabilidade de haver uma pandemia global está a aumentar, alerta a Organização Mundial de Saúde, sublinhando que a população não está minimamente preparada. Na eventualidade de uma pandemia, estima-se que o surto seria capaz de se espalhar em cerca de 36 horas e matar cerca de 50 a 80 milhões de pessoas, destruindo 5% da economia global.

A propagação das doenças propensas a epidemia, como a Ébola e a gripe, são cada vez mais difíceis de travar, dado a densidade populacional e a facilidade de viajar para qualquer parte do mundo.

"O patógeno, que se move rapidamente, tem o potencial de matar dezenas de milhões de pessoas, perturbar economias e destabilizar a segurança nacional", alerta o relatório do Banco Mundial e da Organização Mundial de Saúde divulgado esta quarta-feira.

Os responsáveis lembram ainda a pandemia de gripe, que matou cerca de 50 milhões de pessoas em 1918, e o devastador surto de Ébola entre 2014 e 2016, na África Ocidental, como prova de que a ameaça é real. Reconhecem que alguns governos têm estado vigilantes, mas admitem que os esforços feitos até agora têm sido "bastante insuficientes".

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pede aos países para "consertarem o teto antes que a chuva chegue" e para investirem nos sistemas de saúde, bem como no aumento dos fundos para a pesquisa de novas tecnologias.

Com Reuters

  • “A espera” de uma mãe e uma luta que dura há 10 anos
    22:00