Mundo

A realidade dos tiroteios nas escolas dos EUA aos olhos dos alunos

Grupo de Prevenção contra Violência com Armas divulgou um vídeo chamar a atenção para a violência nas escolas.

Este vídeo mostra que o regresso à escola, nos EUA, é mais que novas mochilas, pastas, auscultadores. É também prevenir e proteger as crianças da violência com armas.

Sob o título "Back to Schoool Essencials", veem-se estudantes a mostrar o material para o início do novo ano letivo, no corredor da escola.

Mas em segundo plano, estão pessoas a correr, fechar as portas das salas de aula e a esconderem-se debaixo das mesas. Ouvem-se gritos e em primeiro plano, um aluno explica, enquanto foge pelo corredor que os "ténis novos são exatamente o que precisa para este novo ano letivo".

Um rapaz mostra um skate "bem fixe" que a mãe ofereceu-lhe, mas que está a ser usado para partir o vidro da janela para poder fugir.

O vídeo termina com uma jovem, escondida na casa de banho, a escrever uma SMS "amo-te mãe" enquanto a porta se abre e ouvem-se passos do presumível atacante.

Sandy Hook Promise

A ideia foi desenvolvida por Sandy Hook Promise, um grupo formado após o tiroteio na escola primária Sandy Hook, em dezembro de 2012.


A organização tem como objetivo proteger as crianças da violência armada e divulgou este vídeo para chamar a atenção para o problema. É parte da campanha "Conhece os sinais" que incentiva as pessoas a reconhecerem os sinais de alerta e ameaças.

O fundador da Sandy Hook Promise, Mark Barden, que perdeu o filho Daniel no tiroteio de 2012, explica que o vídeo mostra a "terrível e dolorosa realidade que as crianças nos Estados Unidos enfrentam quando os tiroteios nas escolas se tornam mais frequentes". Mas também deixamos claro que, quando ensinamos os alunos a conhecer os sinais, podemos evitar tiroteios nas escolas e salvar vidas".

Não é a primeira vez que a organização divulga vídeos com conteúdos com este impacto.

O ano passado, o grupo divulgou um vídeo que mostrava um tiroteio do ponto de vista do atirador.

  • Rio Seco 
    2:13

    Reportagem Especial

    O Tejo internacional está em mínimos dos últimos 40 anos e os afluentes Pônsul e Sever praticamente secaram fruto das políticas de gestão de recursos hídricos de Espanha.

    Hoje no Jornal da Noite