Mundo

Quatro membros da mesma família morrem a tirar selfie na Índia

Amit Dave

A vítima mais velha tem 20 anos e a mais nova 14.

Polícia confirma identidade das vítimas

Nivedha tinha apenas 20 anos e tinha casado recentemente com G Perumalsamy, de 25 anos. Estariam a passear na região sul da Índia com outros quatro membros da família: Sneha, de 22 anos; Kanniga, de 20 e Santosh, de 14 anos que, segundo a polícia do Estado de Tamil Nadu terá sido o primeiro a escorregar e a cair à água.

Na altura a barragem de Pambar, no sul da Índia, estaria cheia e o nível da água não terá ajudado as vítimas, segundo a polícia do distrito de Krishnagiri.

G Perumalsamy, o marido de uma das vítimas ainda conseguiu salvar a irmã de 15 anos, mas a esposa e os restantes três membros da família acabaram por morrer.

A polícia confirma que os corpos foram "recuperados imediatamente", segundo o oficial da polícia do distrito de Krishnagiri S Prabhakar à CNN.

A barragem de Pambar é um local turístico na região sul da Índia e frequentemente procurado por famílias.

Saumya Khandelwal

Índia é o país onde as selfies matam mais, segundo estudo de 2018

Entre outubro de 2011 e novembro de 2017 morreram 259 pessoas em todo o mundo a tirar selfies, segundo um estudo publicado pelo Jornal de Medicina e Cuidados Primários da Índia.

72% das vítimas são homens com menos de 30 anos.

Em os países com mais incidentes deste género surge a Rússia e o Paquistão, a seguir à Índia que ocupa o 1.º lugar destacado, com a esmagadora maioria das vítimas: 159 dos 259 mortos registados em todo o mundo.

O fenómeno já está a levar as autoridades de Nova Deli a equacionarem criar zonas NO Selfie, que interditem os locais considerados mais perigosos.