Mundo

Incêndio em campo de refugiados na Grécia deixa 600 pessoas sem alojamento

STR

Este é o segundo incêndio em instalações que acolhem refugiados, migrantes e requerentes de asilo nas ilhas do Egeu.

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou esta terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF).

"Em Vathy, 6.000 pessoas estão amontoadas em condições terríveis num complexo projetado para apenas 650. Metade são mulheres e crianças. A maioria vive em tendas improvisadas sem acesso regular a banhos ou chuveiros", assinalou Eirini Papanastasiu, coordenadora da MSF em Samos, em comunicado.

Este é o segundo incêndio em instalações que acolhem refugiados, migrantes e requerentes de asilo nas ilhas do Egeu, depois do incêndio no campo de Moria, há duas semanas, em que morreu uma mulher.

Segundo os meios de comunicação locais, o incêndio teve origem numa briga entre um grupo de sírios e afegãos na noite de segunda-feira, na qual três homens sírios foram esfaqueados.

A Médicos Sem Fronteiras estima que 600 pessoas perderam o espaço onde viviam.

Após o incêndio, os refugiados foram alojados em diferentes abrigos fornecidos por ONG locais.

"Estamos a apoiar o hospital local com intérpretes. A nossa equipa também fornecerá ajuda psicológica de emergência e artigos de primeira necessidade para as pessoas afetadas pelo incêndio", indicou Papanastasiu.

A organização exigiu novamente que as autoridades gregas e europeias transferissem todas as pessoas vulneráveis das ilhas para alojamentos apropriados e seguros.

"Incidentes como o incêndio da noite passada são o resultado direto das políticas europeias que continuam a deter pessoas em condições indignas e inseguras nas ilhas gregas", afirmou a coordenadora da ONG em Samos.

O Governo grego anunciou a sua intenção de descongestionar as ilhas e aumentar os retornos para a Turquia de pessoas cujo pedido de asilo é rejeitado até 10.000 em 2020, apesar das suas críticas a Ancara pela intervenção na Síria.

Lusa

  • Escolas fazem negócio com refeições
    11:40