Mundo

Australiana leva os destroços da casa que perdeu nos fogos para o Parlamento

A mulher quer alertar para os resultados da crise climática.

Depois de perder a sua casa nos incêndios florestais que estão a deflagrar na Austrália, uma mulher levou esta segunda-feira os destroços da habitação para o Parlamento australiano, em Camberra, de modo a alertar os deputados para a crise climática.

As chamas destruíram a casa de família de Melinda Plesman e do marido Dean Kennedy, em Novas Gales do Sul, onde moravam há 35 anos. Segundo o The Guardian, o objetivo de levar os destroços até ao Parlamento era mostrar ao primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, o resultado direto da crise climática.

"Está a acontecer agora e isto é como as alterações climáticas se parecem. Perdi a minha casa, comunidades inteiras perderam as suas casas... e o primeiro-ministro diz que não podemos falar sobre o assunto."

Para além das críticas a Scott Morrison, Melinda Plesman acusou ainda o Partido Trabalhista de não querer discutir a ligação entre as alterações climáticas e os incêndios florestais.

"Isto é que é realmente terrível. Não temos liderança, não temos discussão, não temos debate, não temos nada."

A mulher e o marido estão agora a viver num quarto de hotel, sem saber o que esperar do futuro.

Incêndios já queimaram mais de um milhão de hectares

Os incêndios florestais deste ano na Austrália já queimaram mais de um milhão de hectares de floresta e mato, provocaram pelo menos seis mortos e destruíram 500 habitações no sudeste do país.

Coalas em risco de extinção devido aos incêndios

Mais de mil coalas foram mortos na sequência dos incêndios que atingiram a Austrália, nas últimas semanas. Um número que, segundo os especialistas, pode mesmo levar à extinção da espécie.

Morreu Lewis, o coala que comoveu os internautas

Morreu o coala salvo de um incêndio florestal em Nova Gales do Sul, na Austrália. O animal foi eutanasiado no Port Macquarie Koala Hospital, onde estava a ser tratado, devido às graves queimaduras que sofreu.

O hospital veterinário explicou que o bem-estar animal é a "prioridade número um" e que, por isso, foi tomada a decisão de pôr Lewis "a dormir para sempre".