Mundo

Detido o piloto do narcosubmarino que encalhou na Galiza

Um guindaste carrega o narcosubmarino recuperado por especialistas da Guarda Civil espanhola, no estuário do rio Aldán, perto da costa de Vigo, Espanha.

Salvador Sas

Já há cinco detidos.

Dois tripulantes foram detidos no dia em que o submarino encalhou na ria de Aldán a 24 de novembro. Os outros dois foram detidos em Vigo.

O quinto elemento da tripulação, que se acredita ser o piloto, tinha fugido nesse dia a nado. A agência EFE noticia que o homem foi detido na sexta-feira de manhã em Cangas, ainda vestindo o fato de mergulho.

Apreendidos 152 fardos de cocaína no submarino

O submergível utilizado para transportar cocaína foi rebocado e içado para um cais numa operação coordenada pelos especialistas da Guardia Civil e do Serviço de Vigilância Aduaneira.

Transportava 152 fardos de cocaína, quase 4,5 toneladas.

Fontes policiais disseram à agência EFE que as suspeitas recaem sobre três organizações de narcotraficantes, as quais detêm capacidade económica e logística para utilizar um meio de transporte como o submergível cuja construção deve ter custado mais de dois milhões de euros.

Fontes da investigação indicaram que se trata da primeira vez que um submergível é detetado a introduzir estupefacientes na Europa, um método que já foi utilizado pelos narcotraficantes para desembarcar cocaína em território norte-americano.

Uma das hipóteses da polícia indica que a droga foi provavelmente carregada na Colômbia e transportada durante sete mil quilómetros.

A reconstrução policial da travessia do submarino situa o início da travessia há 20 dias, a partir da Colômbia tendo as forças de segurança espanhola recebido informações de que uma embarcação suspeita navegada no Atlântico rumo à costa da Galiza, "passando por Portugal".Algumas fontes indicam também que o destino final da operação de desembarque era a costa das Astúrias, norte de Espanha.

As mesmas fontes acrescentam que os tripulantes chegaram mesmo a navegar até à costa asturiana, mas "algum problema" obrigou o regresso à Galiza.O objetivo era mudar a droga para outra embarcação o que não se veio a verificar tendo sido esse, provavelmente, o motivo que levaram os tripulantes a fundear o submarino.

Com Lusa