Mundo

Violentos protestos em Beirute contra o Governo

Mohamed Azakir

Libaneses contestam renomeação do primeiro-ministro.

As forças de segurança libanesas dispararam hoje gás lacrimogéneo, balas de borracha e canhões de água para dispersar centenas de manifestantes, pelo segundo dia consecutivo, terminando o que começou como uma manifestação pacífica.

A violência ocorre na véspera de um encontro entre o Presidente e os blocos parlamentares, no qual o primeiro-ministro resignado Saad Harir é esperado para ser renomeado no posto.

Saad Harir resignou a 29 de outubro no meio de protestos de âmbito nacional que acusam a elite política de corrupção e má administração, enquanto o Líbano atravessa o pior declínio económico em décadas.

Os manifestantes dizem que não aceitam Hariri como primeiro-ministro, exigindo um chefe do Governo independente e não filiado em nenhum dos partidos.

Após semanas de disputas, os partidos políticos falharam na apresentação de nomes independentes, com a maioria a insistir em manter a sua parte política no Governo.

Os protestos de domingo foram maioritariamente pacíficos, mas alguns manifestantes lançaram garrafas de água e engenhos de fogo às forças de segurança que guardam o Parlamento.

Após algumas horas, as forças de segurança expulsaram os manifestantes com o recurso a bastões e gás lacrimogéneo para dispersar a multidão.

Centenas de pessoas permaneceram quando a dispersão começou e alguns promoveram confrontos com as forças de segurança para expressarem a sua raiva contra esta repressão e a abordagem "do costume" do Governo.

"Recuperamos o nosso país desta ocupação", disse à LBC TV um manifestante zangado, referindo-se ao que chama de Governo corrupto há décadas no poder.

As forças de segurança perseguiram os manifestantes pelo centro de Beirute, disparando gás lacrimogéneo e balas de borracha.

Alguns manifestantes esconderam-se na zona comercial em redor do Parlamento e outros, com máscaras, atiraram pedras aos policias.

Por causa do lançamento de pedras várias pessoas ficaram feridas, incluindo um fotógrafo de notícias.

  • Bancos angolanos investigados pelo Banco de Portugal
    1:53