Mundo

Canadá vai deixar de prestar segurança a Harry e Meghan

Toby Melville

"A assistência cessará nas próximas semanas, de acordo com a mudança de estatuto" de Harry e Megan.

O Canadá anunciou esta quinta-feira que deixará de fornecer serviços de segurança ao príncipe Harry e à mulher, Meghan, quando estes se libertarem dos deveres da família real britânica.

Mary-Liz Power, porta-voz do Ministério da Segurança Pública do Canadá, disse esta quinta-feira que "a assistência cessará nas próximas semanas, de acordo com a mudança de estatuto" de Harry e Megan, que deixarão a maioria dos deveres reais a partir de 31 de março, abrindo mão dos fundos públicos, para se tornarem financeiramente independentes, planeando morar durante parte do ano no Canadá.

O Governo canadiano disse que, como duque e duquesa de Sussex, eles foram considerados "pessoas protegidas internacionalmente", para justificar as medidas de segurança que são até agora asseguradas pelas autoridades.

A situação atual decorre de um pedido da Polícia Metropolitana do Reino Unido à Polícia Real do Canadá para que esta prestasse assistência em território canadiano, o que acontece desde novembro.

Espera-se que o casal passe a maior parte do tempo no Canadá, numa mansão na ilha de Vancouver, na Colúmbia Britânica, mantendo uma casa em Inglaterra, perto do castelo de Windsor.

Embora tenham sido bem recebidos no Canadá, os príncipes têm sido alvo de polémica, com uma oposição por parte dos cidadãos a ter de pagar a sua segurança.

O casal Harry e Meghan surpreendeu a família e o Reino Unido, em janeiro, ao anunciar que queria ficar livre dos deveres reais e construir uma vida familiar mais tranquila, livre dos jornalistas que filmam, fotografam e escrevem sobre eles.

O casal, a quem foi atribuído o título de duque e duquesa de Sussex no dia do seu casamento, também abandonou os planos de usar a marca "SussexRoyal", respeitando as regras britânicas associadas ao uso da palavra "real".

  • Terceiro período do ensino básico à distância. Exames do secundário adiados

    Coronavírus

    O terceiro período do ano letivo no ensino básico arranca no próximo dia 14, mas sem atividades letivas presenciais e com apoio de transmissões televisivas. Os exames nacionais do 11.º e 12.º anos foram adiados e o ano letivo pode estender-se até 26 de junho. Portugal regista 409 mortes e 13.956 infetados pelo novo coronavírus. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia da Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias