Mundo

Cantora turca morre depois de 288 dias em greve de fome

Confrontos entre a polícia e manifestantes em Istambul depois do governo ter cancelado um concerto do grupo Grup Yorum em 2015.

Yagiz Karahan

Estava em greve de fome em protesto pela detenção de sete membros do Grup Yorum.

A cantora turca Helin Bolek morreu esta sexta-feira após 288 dias em greve de fome em protesto pela detenção de sete membros do Grup Yorum, uma banda musical de esquerda a que pertencia, acusados de vínculo a um "grupo terrorista".

"Helin Bolek, do Grup Grup Yorum, caiu mártir de uma greve de fome de 288 dias", anunciou a banda no Twitter. Bolek iniciou o protesto, juntamente com o seu companheiro do grupo Ibrahim Gokçek, para exigir a libertação de sete membros da banda de música folk e para denunciar a proibição dos concertos do grupo na Turquia.

Os sete detidos estão acusados de vínculos à organização clandestina Partido-Frente Revolucionária de Libertação do Povo (DHKP-C), envolvida em diversas ações armadas e considerada uma Ancara uma formação terrorista. Durante os seus 35 anos de existência, o coletivo musical Grup Yorum, formado por dezenas de músicos, destacou-se pelas suas canções políticas, com temática esquerdista e anti-imperialista.

Desde 2019, cerca de 30 membros da banda foram detidos e a polícia interveio em dez ocasiões no centro cultural onde ensaiavam. Em 11 de março, Bolek e Gokçek foram hospitalizados devido à deterioração do estado de saúde, mas receberam alta uma semana depois após terem rejeitado um tratamento, refere a agência noticiosa Efe.

Milhares de pessoas enviaram mensagens de condolência pela morte de Bolek através do Twitter e pediram ao Governo que termine com as restrições ao grupo musical.